(Reuters) – A agência de classificação de risco Fitch disse nesta sexta-feira que a classificação de crédito soberano “AAA” dos Estados Unidos pode ser pressionada se os parlamentares federais não resolverem o limite da dívida em tempo hábil, ressaltando que a ameaça política e a flexibilidade de financiamento reduzida podem aumentar o risco de inadimplência.

Uma suspensão de dois anos do teto da dívida expirou em julho, e democratas e republicanos no Congresso dos EUA continuam em desacordo.

A Fitch disse acreditar que serão tomadas medidas para aumentar ou suspender o teto da dívida a tempo de evitar um calote. Mas disse que os últimos esforços sem sucesso para resolver o assunto “indicam que o impasse atual pode estar entre os mais prolongados desde 2013”.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, alertou que o governo pode ficar sem dinheiro até 18 de outubro se o teto da dívida não for elevado ou suspenso, levando à primeira inadimplência da história.

“Vemos a chegada do dia (18 de outubro) para o Tesouro sem que o limite da dívida tenha aumentado como o principal risco para a vontade e capacidade do país de pagar”, disse a Fitch em um relatório. “Se isso parecer provável, nós revisaremos o rating soberano dos EUA, com prováveis ​​implicações negativas.”

Quanto à inadimplência, a Fitch disse que “rebaixaria apenas os instrumentos afetados para um nível de classificação de inadimplência, enquanto os instrumentos não inadimplentes que continuassem apresentando bom desempenho manteriam suas classificações atuais”.

A Fitch mantém perspectiva negativa para o rating “AAA” desde julho de 2020.

(Por Mehr Bedi em Bengaluru e Karen Pierog em Chicago)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).