Novas regulamentações dos Estados Unidos entraram em vigor nesta quinta-feira (13), impedindo o governo de comprar bens ou serviços de qualquer empresa que use produtos de cinco empresas chinesas, incluindo Huawei, Hikvision e Dahua, disse uma autoridade norte-americana.

A regra, que foi imposta por uma lei de 2019, pode ter amplas implicações para empresas que vendem bens e serviços para o governo dos EUA, uma vez que agora elas precisam certificar que não usam produtos da Zhejiang Dahua Technology ou da Hangzhou Hikvision Digital Technology, embora produtos de ambas estejam entre os equipamentos de vigilância mais vendidos do mundo.

O mesmo vale para os rádios bidirecionais da Hytera Communications e os equipamentos de telecomunicações ou dispositivos móveis da Huawei e da ZTE.

Ellen Lord, subsecretária de defesa para aquisição e manutenção, disse nesta quinta-feira que o Departamento de Defesa “apoia totalmente” a intenção das mudanças, “mas reconhece os desafios de implementação enfrentados pelos parceiros da indústria”.

A equipe de Lord está trabalhando com o Congresso dos EUA para ajudar “a redigir revisões (da lei) para facilitar a implementação efetiva e evitar consequências imprevistas”, disse ela.

Qualquer empresa que use equipamentos ou serviços dessas cinco empresas nas operações cotidianas não poderá mais vender para o governo dos Estados Unidos sem obter uma autorização.

O governo dos EUA concede anualmente mais de US$ 500 bilhões em contratos, de acordo com o Government Accountability Office.

O Conselho da Indústria de Tecnologia da Informação (ITI) observou na quinta-feira que os regulamentos foram publicados há apenas um mês, embora a lei que exige as mudanças tenha sido aprovada em 2019.

“Por causa do longo tempo necessário para implementar medidas para esses amplos requisitos, os contratantes podem não ser capazes de cumprir os objetivos da lei de forma consistente.in

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).