SÃO PAULO (Reuters) – O mercado de câmbio voltou a abrir sob pressão nesta sexta-feira, com o dólar futuro superando 5,70 reais pela primeira vez desde abril, conforme investidores seguiam impondo nos preços riscos maiores de abandono da responsabilidade fiscal com o furo do teto de gastos.

O dólar futuro bateu 5,7030 reais na máxima. Às 9h06, subia 0,51%, a 5,6945 reais. No mercado à vista, a moeda ganhava 0,37%, a 5,6890 reais, após pico de 5,695 reais (+0,47%).

A exemplo da véspera, o Banco Central não anunciou ofertas líquidas de dólar para esta sessão.

Os juros futuros mantinham-se sob intensa onda de compra, com as taxas disparando mais 44 pontos-base em alguns vencimentos, aumentando a pressão para o Bacen acelerar o ritmo de aumentos da taxa Selic.

Na noite de quinta, assim que os mercados fecharam, o Ministério da Economia comunicou que o secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e o secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, pediram exoneração de seus cargos ao chefe da pasta, Paulo Guedes, marcando nova rodada de baixas na equipe econômica em meio à sinalização do governo de que irá contornar a regra do teto de gastos para colocar de pé um novo Bolsa Família mais robusto.

(Por José de Castro)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).