Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) – A indústria dos Estados Unidos continuou a crescer em julho, embora o ritmo tenha desacelerado pelo segundo mês seguido, com os gastos retornando ao setor de serviços e com a persistência da escassez de matérias-primas.

O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) informou nesta segunda-feira que seu índice para a atividade industrial caiu a 59,5 no mês passado, leitura mais baixa desde janeiro, de 60,6 em junho.

Leitura acima de 50 indica expansão da manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA. Economistas consultados pela Reuters projetavam que o índice ficaria em 60,9.

Quase metade da população foi totalmente vacinada contra a Covid-19, permitindo que os norte-americanos viajem, frequentem restaurantes, visitem casinos e participem de eventos esportivos entre as atividades relacionadas a serviços que foram limitadas devido à pandemia.

O subíndice de novas encomendas da pesquisa do ISM caiu a 64,9 no mês passado, de 66,0 em junho, no segundo mês seguido de perda.

A produção nas fábricas desacelerou no mês passado, levando a um aumento nos pedidos atrasados.

O setor manufatureiro também contratou mais trabalhadores em julho. Uma medida do emprego nas fábricas se recuperou depois de contração modesta em junho pela primeira vez desde novembro.

((Tradução Redação São Paulo, 55 11 5047 2984)) REUTERS CMO JCG

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).