Uma proposta de empréstimo de US$ 2,45 bilhões para a companhia aérea em recuperação judicial Latam, a ser feito pela Oaktree Capital Management e pelos acionistas da companhia aérea encontrou oposição dos credores, que afirmam que o financiamento é muito caro.

Os credores encaminharam objeção ao empréstimo na quinta-feira no tribunal que supervisiona a recuperação judicial da Latam em Manhattan, segundo documentos vistos pela Reuters.

“É uma proposta muito grande, muito cara e não é suportada por um processo de divulgação justo e adequado”, afirmou um comitê que representa credores sem garantia da companhia aérea nos documentos.

Os credores afirmam que a Latam deveria explorar empréstimos mais baratos. Eles também questionaram se a Latam precisa mesmo dos US$ 2,45 bilhões, citando que os assessores financeiros recomendaram US$ 2,15 bilhões em financiamento para a continuidade das operações da empresa.

Os credores também afirmaram que a Oaktree e outros participantes do financiamento proposto terão direito a converter a dívida que possuem junto à Latam em participação na empresa com um desconto implícito de 32% quando a companhia aérea deixar o processo de recuperação.

Depois que a Latam assegurou um financiamento inicial de US$ 900 milhões junto aos acionistas Cueto Group e Qatar Airways, a companhia fez um novo anúncio dizendo que tinha como objetivo levantar até US$ 2,45 bilhões para suas operações.

A empresa então anunciou o financiamento de US$ 1,3 bilhão junto à Oaktree em neste mês, junto com um potencial adicional de US$ 250 milhões de outros acionistas.

A Latam está buscando reestruturar US$ 18 bilhões em dívida. A empresa é a maior companhia aérea do mundo até agora a buscar proteção contra credores na justiça como consequência das medidas de isolamento social contra a Covid-19.

Representantes da Latam e da Oaktree não comentaram o assunto.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).