PEQUIM (Reuters) – Os contratos futuros do carvão metalúrgico e do coque chinês fecharam em queda de mais de 5% nesta terça-feira, caindo pela terceira sessão consecutiva devido a preocupações com mais controles governamentais para estabilizar os preços e garantir o abastecimento.

Nos primeiros dez dias de setembro, os preços do carvão metalúrgico e do coque aumentaram 19% e 11,6%, respectivamente, em comparação com os últimos dez dias de agosto, mostraram dados do órgão nacional de estatísticas.

“(Os investidores) devem negociar com cautela, dada a incerteza da política no futuro”, escreveram analistas da SinoSteel Futures em nota.

“Recentemente afetadas por inspeções ambientais, controles de consumo de energia e cortes na produção de aço bruto, a oferta e a demanda de coque caíram.”

O presidente da China, Xi Jinping, visitou a cidade de Yulin, importante região de mineração de carvão na província de Shaanxi, na segunda-feira, para entender as situações locais, incluindo a utilização do carvão, informou a mídia estatal na terça-feira.

Os contratos futuros de carvão metalúrgico mais ativos na Bolsa de Commodity de Dalian, para entrega em janeiro, fecharam o dia em queda de 5,4%, para 2.703 iuanes (419,25 dólares) por tonelada.

Os futuros do coque encerraram em queda de 5,3%, a 3.342 iuanes por tonelada.

O aço na Bolsa de Futuros de Xangai também foi afetado pela queda nos preços das matérias-primas. O vergalhão caiu 3,5%, para 5.492 iuanes por tonelada. As bobinas laminadas a quente, usadas em carros e eletrodomésticos, caíram 3,1%, para 5.689 iuanes por tonelada.

Os contratos futuros do aço inoxidável na bolsa de Xangai fecharam em queda de 2,2%, em 19.010 iuanes por tonelada.

(Reportagem de Min Zhang e Shivani Singh)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).