O C6 Bank começou a oferecer crédito para capital de giro a pequenas e médias empresas, que podem dar como garantia as vendas a prazo feitas em qualquer maquininha de cartão. A novidade chega em um momento oportuno para micro, pequenos e médios empresários que, depois de um ano e meio de pandemia, estão sem fôlego financeiro para manter os negócios e aproveitar a retomada de alguns setores da economia.

Como funciona? Pessoas jurídicas com conta no C6 Bank podem tomar emprestado até 5 vezes o valor das vendas a crédito parceladas na maquininha de cartão, com taxas de juros atrativas. Uma parte das vendas é utilizada como garantia.

O prazo dessa modalidade de empréstimo parcelado é de 36 meses, com carência de até dois meses para pagar a primeira parcela. A contratação é feita diretamente pelo cliente no aplicativo ou web banking do C6 Bank e a liberação ocorre em até um dia útil.

Os pequenos negócios estão precisando de dinheiro? Pesquisa recente do Sebrae e da FGV mostra que, embora tenha aumentado a parcela de empresas que conseguiram empréstimos neste ano em relação a 2020, apenas 20% de todo o crédito concedido foi destinado para pequenos negócios. “Queremos atender a essa demanda das micro, pequenas e médias empresas oferecendo taxas competitivas e sem burocracia”, diz Monisi Costa, head de pessoa jurídica do banco. “As empresas precisam de crédito, especialmente neste momento, para se reorganizar financeiramente, repor estoques ou repensar a estratégia.”

Por que esse tipo de crédito pode valer a pena? O capital de giro é um produto com juros mais baixos que o limite do cartão ou o cheque especial e a vinculação da garantia de recebíveis dos cartões a esse empréstimo diminui ainda mais a taxa.

Segundo Monisi, permitir que as vendas a prazo viabilizem novos empréstimos é uma forma de democratizar o acesso ao crédito no país. Isso foi facilitado no início de junho, com a entrada em vigor de uma resolução do Banco Central que acabou com a reserva de mercado dos chamados “recebíveis de cartão de crédito”, que são os pagamentos que as empresas têm a receber de vendas realizadas no cartão.

Até então, um lojista podia usar essas receitas futuras como garantia para obter financiamento com a sua empresa de maquininha (adquirente) ou com o banco onde recebe essa venda. A resolução do BC permite que qualquer instituição autorizada por esse lojista tenha acesso a essa agenda de recebíveis e possa usá-la como garantia para oferecer crédito mais barato. “É uma revolução comparável ao open banking, mas no mercado de recebíveis”, diz Monisi.

Como uma micro ou pequena empresa pode abrir conta no C6 Bank? MEIs e PMEs podem abrir conta no C6 Bank diretamente pelo aplicativo do banco e economizar mais de R$ 2 mil por ano na comparação com os serviços e produtos oferecidos por instituições tradicionais. A conta no C6 Bank é totalmente gratuita, enquanto outros bancos chegam a cobrar R$ 100 por mês de taxa de manutenção.

O cliente PJ conta ainda com um Cartão Business sem anuidade, 100 TEDs gratuitas por mês, pagamento de boletos ilimitados, além de saques e Pix grátis. Ao abrir uma conta no C6 Bank, a empresa também pode contratar a maquininha C6 Pay dentro do próprio aplicativo. Para quem fatura mais de R$ 3,5 mil por mês e recebe na conta do banco, a maquininha sai de graça.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).