O Banco Bradesco divulgou nesta quinta-feira (30) uma queda de 40,1% no lucro do segundo trimestre com o aumento de provisões multibilionárias para créditos de liquidação duvidosa.

O segundo maior banco privado do país teve um lucro líquido recorrente, que exclui itens extraordinários, de R$ 3,873 bilhões contra R$ 6,462 bilhões no ano anterior e também 10,3% abaixo da estimativa média de R$ 4,316 bilhões de analistas consultados pela Refinitiv.

O banco reservou R$ 3,8 bilhões em provisões extraordinárias para enfrentar as perdas esperadas com empréstimos e seguros relacionados à pandemia de Covid-19, respectivamente.

No primeiro trimestre, o Bradesco já havia provisionado R$ 2,7 bilhões para possíveis perdas com crédito.

A mais recente ação do Bradesco indica que o banco prevê perdas decorrentes da crise de coronavírus maiores do que o inicialmente calculado por seus gestores.

As provisões para perdas com operações de crédito aumentaram 155% em relação ao mesmo período ano anterior, para R$ 8,9 bilhões.

A receita de tarifas também foi pressionada pelas medidas de isolamento social, caindo 7,9% em relação ao mesmo período do ano anterior e do primeiro trimestre, principalmente pela queda nos pagamentos com cartão.

Ainda assim, a demanda de grandes empresas impulsionou um aumento de 0,9% em sua carteira de empréstimos em três meses, apesar da queda no estoque de crédito ao consumidor, aumentando a margem financeira em 15,3%.

O Bradesco mostrou que tem tentado enfrentar a crise através do corte de custos, uma vez que as despesas operacionais caíram 2,5% ante o primeiro trimestre. O banco fechou 233 agencias.

O retorno sobre o patrimônio, um barômetro de lucratividade, caiu 8,7 pontos percentuais em relação ao ano anterior, para 11,9%, mas ficou praticamente em linha com o primeiro trimestre.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).