ISTAMBUL (Reuters) – O banco central da Turquia cortou inesperadamente sua taxa de juros em 1 ponto percentual nesta quinta-feira, para 18%, adotando o estímulo há tempos pedido pelo presidente Tayyip Erdogan apesar da inflação alta, e levando a lira a uma mínima recorde.

A expectativa era de que o banco central mantivesse os juros em 19%, patamar em que estava desde março, já que a inflação alcançou 19,25% no mês passado. Apenas dois de 17 economistas consultados pela Reuters projetavam uma redução.

Mas o presidente do banco central turco, Sahap Kavcioglu –que Erdogan colocou no comando da autoridade monetária em março– mostrou-se mais “dovish” (mais inclinada a estímulos monetários) nas últimas semanas, abrindo caminho para o primeiro afrouxamento monetário da Turquia desde maio do ano passado e encerrando o ciclo de aperto que começou há 12 meses.

Kavcioglu começou a enfatizar o núcleo da inflação, que ficou abaixo de 17% em agosto, e disse que a política monetária estava dura o suficiente para aliviar as altas de preços no quarto trimestre.

Esses comentários levaram analistas a alertar a um “erro de política monetária” se os cortes acontecessem cedo demais, embora a maioria projetasse que eles viriam antes do fim do ano.

A lira chegou a cair 1,4% e estava em 8,77 contra o dólar, perto de uma mínima recorde de 8,88 alcançada em junho. A depreciação da moeda causa mais inflação na Turquia devido às importações precificadas em moedas fortes.

Investidores estrangeiros descartaram ativos turcos nos últimos anos devido em parte a preocupações com a independência política do banco central, já que Erdogan demitiu seus últimos três presidente do banco central em 20 meses devido a desentendimentos sobre a política monetária.

Autointitulado “inimigo” das taxas de juros, Erdogan disse em junho que conversou com Kavcioglu sobre a necessidade de um corte em agosto. No mês passado, ele disse que “começaremos a ver uma queda nos juros”.

(Reportagem de Ali Kucukgocmen e Daren Butler)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).