Por Leika Kihara

TÓQUIO (Reuters) – As autoridades do banco central do Japão pareceram não se intimidar com o aumento do debate global sobre a retirada de estímulos da era de crise, com algumas ressaltando a necessidade de evitar um aperto prematuro da política monetária, mostrou um sumário do debate entre as autoridades na reunião de julho.

A inflação mais forte do que o esperado foi o centro do debate de política monetária entre os principais bancos centrais, incluindo o norte-americano Federal Reserve, o que gerou expectativas no mercado de uma retirada gradual, mas constante, das medidas de alívio da pandemia de coronavírus.

Com a economia do Japão ainda se recuperando da pandemia, o banco central japonês tem de sustentar sua política monetária ultrafrouxa, disse um membro do conselho de acordo com o sumário divulgado nesta quarta-feira.

“O aumento dos preços das commodities pode elevar o crescimento anual da inflação ao consumidor. Mas ainda está um pouco longe de atingir de forma estável nossa meta de inflação de 2%, o que significa que é importante evitar um aperto monetário prematuro”, mostrou outra opinião.

“No Japão, é necessário continuar pacientemente com a flexibilização monetária para cumprir nossa meta de preços em cooperação com o governo”, mostrou uma terceira opinião.

Os comentários destacam a visão dominante entre as autoridades do banco central do Japão de que o recente rali global nos preços das commodities não deve estimular aumentos mais generalizados na inflação ao consumidor de forma que lhes permita debater uma retirada de curto prazo do estímulo.

(Por Leika Kihara)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).