PEQUIM (Reuters) – A atividade industrial da China acelerou inesperadamente em novembro, crescendo pela primeira vez em três meses com o alívio no aumento dos preços de matérias-primas e no racionamento de energia.

O Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) oficial de indústria subiu a 50,1 em novembro de 49,2 em outubro, mostraram nesta terça-feira dados da Agência Nacional de Estatísticas.

A marca de 50 separa crescimento de contração. Analistas esperavam uma leitura de 49,6.

Analistas preveem que a desaceleração no Produto Interno Bruto vista no terceiro trimestre continuará no quarto, com expectativa de que a demanda permaneça fraca.

“Uma série de políticas recém-adotadas e medidas para garantir a oferta de energia e estabilizar os preços do mercados mostrou-se efetiva”, disse Zhao Qinghe, estatístico sênior da agência de estatísticas.

“O racionamento de energia diminuiu um pouco em novembro enquanto os preços de algumas matérias-primas caíram de forma significativa, provocando uma expansão no PMI de indústria.”

O subíndice de produção subiu a 52,0 em novembro de 48,4 em outubro, enquanto as novas encomendas recuaram a um ritmo mais lento, embora novembro tenha marcado o quarto mês seguido de queda na demanda dos clientes.

Em contraste com a melhora no setor industrial, o crescimento de serviços desacelerou ligeiramente, com o PMI oficial caindo a 52,3 em novembro de 52,4 em outubro.

(Reportagem de Stella Qiu e Gabriel Crossley)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).