WASHINGTON (Reuters) – Um índice que acompanha a atividade do setor de serviços dos Estados Unidos saltou para uma máxima recorde em julho, impulsionado pelo redirecionamento dos gastos de bens para serviços, mas as empresas continuaram enfrentando preços mais altos em meio a restrições da cadeia de abastecimento.

O Instituto de Gestão de Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) disse nesta quarta-feira que seu índice de atividade não-manufatureira disparou para 64,1 no mês passado, a maior leitura da história da série, ante 60,1 em junho.

Uma leitura acima de 50 indica crescimento do setor de serviços, que responde por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA. Economistas consultados pela Reuters previam que o índice subiria para 60,5.

(Por Lucia Mutikani)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).