BRASÍLIA (Reuters) -A arrecadação da Receita Federal cresceu 7,25% em agosto, em termos reais, na comparação com o mesmo período do ano passado, somando 146,5 bilhões de reais, valor recorde para o mês, informou a Receita Federal nesta quinta-feira.

No acumulado do ano, a arrecadação teve alta real de 23,53% sobre os oito primeiros meses de 2020, a 1,2 trilhão de reais, também o maior valor já registrado pela Receita em série que tem início em 1997 e já desconta o impacto da variação da inflação.

A Receita disse que, no mês passado, um dos destaques foi novamente a arrecadação do IRPJ e CSLL, cobrados das empresas, com alta real de 41,8%, somando 25,7 bilhões de reais.

O crescimento da arrecadação sobre 2020 também tem sido impactado pelo menor volume de diferimento de tributos promovido pelo governo para aliviar os contribuintes em meio à crise da pandemia (2,9 bilhões de reais em agosto de 2021, ante 17,1 bilhões de reais no mesmo mês do ano anterior) e pela redução das compensações tributárias (para 13,5 bilhões de reais, ante 19,7 bilhões de reais um ano antes).

Ao comentar os dados, o secretário especial da Receita, José Tostes, destacou que os números apontam para um crescimento sustentado da arrecadação.

“Tem importante componente estrutural nesse resultado”, afirmou o secretário.

(Por Isabel Versiani; edição de Camila Moreira e Marcela Ayres)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).