A Apple teve lucro líquido de US$ 11,25 bilhões em seu terceiro trimestre fiscal, com lucro por ação diluída de US$ 2,58, uma alta de 18% na comparação com igual período do ano anterior. Analistas ouvidos pelo FactSet previam US$ 2,05. A receita da empresa ficou em US$ 59,7 bilhões, avanço de 11% na mesma comparação. Após o balanço, a ação subia 4,93% no after hours em Nova York, às 17h52 (de Brasília).

A empresa teve resultados muito acima das expectativas de Wall Street, reportando altas na receita anual em todas as categorias de produtos e em todas as regiões, incluindo algumas categorias há muito ofuscadas, como iPads e iMacs, impulsionadas por consumidores trabalhando e estudando de casa.

Com cerca de 60% das vendas provenientes de mercados internacionais, a Apple se mostrou imune aos choques em todos os mercados e teve receita de US$ 26,42 bilhões em vendas de iPhones, bem acima das expectativas dos analistas de US$ 22,37 bilhões, de acordo com dados do IBES da Refinitiv.

Em entrevista à Reuters, o presidente-executivo Tim Cook disse que, após as paralisações em abril, as vendas começaram a aumentar em maio e junho, ajudadas pelo que ele chamou de um lançamento “forte” do iPhone SE, de US$ 399, em abril. “Acho que o estímulo econômico que estava ocorrendo – e não estou apenas focado nos EUA, mas de maneira mais ampla – foi uma ajuda”.

O crescimento contínuo de serviços e acessórios também mostrou a força da marca, o que levou os investidores a vê-la como um porto seguro e impulsionou o suas ações desde março.

As vendas no segmento de serviços, que também incluem produtos como iCloud e Apple Music, aumentaram 14,8%, para US$ 13,16 bilhões, ante US$ 11,46 bi no ano anterior e expectativas dos analistas de US$ 13,18 bilhões. Cook disse à Reuters que a Apple tem 550 milhões de assinantes pagos em sua plataforma, contra 515 milhões no trimestre anterior.

As vendas no segmento de dispositivos vestíveis, que inclui o Apple Watch, aumentaram 16,7%, para US$ 6,45 bilhões, em comparação com os US$ 5,53 bilhões do ano anterior e acima das estimativas de US$ 6 bilhões, segundo dados da Refinitiv.

A Apple se beneficiou do trabalho remoto e do aumento das aulas online, relatando vendas nos segmentos do iPad e do Mac de US$ 6,58 bilhões e US$ 7,08 bilhões, respectivamente, contra expectativas de US$ 4,88 bilhões e US$ 6,06 bilhões.

“Ambos (os segmentos) tiveram alguns anúncios de produtos realmente significativos no fim de março, início de abril. Acho que temos a linha de produtos mais forte que já tivemos em ambas as áreas”, disse Cook. “Você combina isso com o trabalho e o estudo remoto, e produz resultados realmente muito fortes”.

As vendas internacionais representaram 60% da receita do trimestre mais recente, apontou a Apple em comunicado. A companhia diz que o resultado foi puxado pelo crescimento de dois dígitos tanto em produtos quanto em serviços “em cada um de nossos segmentos geográficos”.

Em seu comunicado, a empresa também afirma que o momento é “desafiador”, diante da pandemia, mas destaca uma iniciativa de US$ 100 milhões por igualdade racial e justiça e um novo compromisso para ser neutra na emissão de carbono até 2030.

O conselho da companhia declarou dividendo de US$ 0,82 por ação ordinária. Também aprovou uma divisão de quatro para uma da ação da Apple, “para tornar o papel mais acessível para uma base mais ampla de investidores”.

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.