O mundo dos investimentos está em um momento de atrair mais pessoas. A participação de pequenos investidores na indústria de fundos dobrou entre outubro de 2018 e o mesmo mês de 2019. No ano passado, o valor aplicado pelos investidores “gente como a gente” correspondeu a 8,6% do total alocado em fundos. Nesse ano, a participação desse grupo passou para 17,1%, mostram dados da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

Por que esses números são importantes? Eles mostram uma mudança no comportamento do brasileiro, que começa a ampliar sua participação no mercado financeiro. A tendência movimenta a própria indústria de fundos, que entre 2018 e 2019 ganhou 40 novos gestores, 1.508 novos fundos e viu um aumento de 21,7% na quantidade de contas abertas em corretoras.

Para onde vão os investimentos? Não há um número exato de quanto o grupo de pessoas físicas investem em cada produto, mas os destinos mais comuns são os fundos de renda fixa, multimercado , ações e previdência. Os dados da captação líquida, o total entre o aplicado e o resgatado entre todos os grupos de investidores, mostra que as opções de investimento veem mudando de 2015 para cá.

  • As aplicações em renda fixa caíram de uma fatia de 47% no total dos fundos em dezembro de 2015 para 41,1% em novembro de 2019.
  • A participação das ações saltou de 4,7% para 8,1% no mesmo período.
  • Os multimercados, que mesclam renda fixa e variável, saíram de 19,7% para 21,4%.
  • Nos fundos de previdência, houve aumento de 62,4% no acumulado de janeiro a novembro de 2019 sobre igual período do ano passado

O que chama a atenção? O aumento de aportes em fundos de ações. Esse tipo de investimento superou o destinado a multimercados e alcançou a maior captação líquida da indústria neste ano: até novembro, foram R$ 67,5 bilhões, com avanço de 171,9% sobre o mesmo período do ano passado. O resultado de 2019 já se aproxima do recorde de captação da indústria, em 2017 (R$ 245,7 bilhões).

“No cenário atual de juros baixos, a tendência é que os investidores diversifiquem cada vez mais suas carteiras e utilizem o trabalho dos gestores profissionais para otimizarem as alocações”, analisa Carlos André, vice-presidente da Anbima.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.