A localização do imóvel a ser alugado ou comprado é mais importante para os brasileiros do que outros itens importantes nessa busca, como preço e tamanho. É o que mostra uma pesquisa do portal imobiliário Imovelweb com 1.400 pessoas de todo o país.

O levantamento ainda mostra que o percentual das pessoas que moram sozinhas é elevado, o que influencia na priorização da localização: elas são 28% dos entrevistados que buscam casas ou apartamentos.

Você pode me detalhar um pouco mais os dados? Vamos lá. A pesquisa mostra que 52,7% dos pesquisados apontam a localização do imóvel como prioridade na hora da procura, um percentual maior do que os 35,6% que apontam o quesito preço e os 11,5% que elegem o tamanho da propriedade.

Por que a localização acaba sendo tão importante? Segundo Angélica Quintela, gerente de marketing do portal, o crescimento acelerado das grandes cidades faz com que as pessoas busquem cada vez mais alternativas para passar menos tempo se locomovendo até o trabalho.

Essa possibilidade é mais acessível a quem mora sozinho, e que pode optar por imóveis menores, de um quarto, cujas buscas cresceram 360% nos últimos 12 meses.

Levantamento do Secovi-SP (Sindicato da Habitação de São Paulo) mostra que, entre 2010 e junho de 2019, a metragem dos apartamentos de um dormitório caiu em cerca de 30%. A maioria deles é no formato estúdio.

“As pessoas querem morar perto do escritório, e optam por morar em apartamentos menores mas com uma localização melhor”, aponta ela. “São clientes que em geral tem flexibilidade de mudar de endereço”, afirma.

As pessoas buscam mais imóveis para aluguel ou compra? A pesquisa mostra que a maior parte das pessoas procuram imóveis para locação (59% dos entrevistados). Entre casas e apartamentos, a maioria procura apartamento, com 52,6% dos pesquisados. A preferência por casa é apontada por 28,63% dos pesquisados, enquanto que 17,7% das pessoas dizem que são indiferentes a esse ponto.

 

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).