O número de transações feitas através do Pix, novo sistema de transferências lançado em novembro do ano passado, já ultrapassou a quantidade de boletos liquidados no país, segundo levantamento do Banco Central divulgados nesta quinta-feira (dia 20).

O número de operações feitas através do sistema, que permite transferências gratuitas e instantâneas, já supera o uso somado de TED e DOC, de acordo com o BC, que usa dados referentes a março.

Reprodução/ Banco Central

“O Banco Central entende que o elevado uso do Pix em pouco tempo de existência indica que a população brasileira em geral tem sido bastante receptiva ao novo meio de pagamento”, afirmou a autoridade monetária no estudo. “A sua crescente utilização, abarcando cada vez mais casos de uso, tem contribuído para a construção de um mercado de pagamentos de varejo mais competitivo, mais eficiente, mais inclusivo e mais seguro”.

O BC também destacou que, até março de 2021, já foram feitas 1 bilhão de transações pelo sistema, movimentando R$ 787,2 bilhões, e que 80% do número de transferências é entre pessoas físicas. “Essa participação cai para 44,3% em termos de valor. Transações entre pessoas jurídicas representaram 35,7% do valor total transacionado no período”, aponta o levantamento.

Brasil já é o 2° país com a maior taxa de adoção do novo sistema

No estudo, o Banco Central apontou ainda que o uso do Pix vem sendo tão intenso que já coloca o Brasil como um dos países que adotaram com maior rapidez sistemas de pagamento instantâneos similares.

“Em seu primeiro ano de adoção, considerando apenas cinco meses de dados, o Pix é o segundo arranjo de pagamentos instantâneos com adoção mais rápida entre os países identificados”, disse o BC. “Tendo em vista a taxa de crescimento mensal do uso do Pix, espera-se que a taxa de adoção do Pix seja a maior já identificada, quando os dados completos do primeiro ano após a implementação estiverem disponíveis”.

Reprodução/ Banco Central

 

Vantagens do novo sistema

O BC listou algumas características do novo sistema de transferências que o tornam diferente dos demais meios de pagamento. Veja abaixo:

  • velocidade de disponibilização dos recursos na conta do recebedor: os recursos são creditados em
    até 10 segundos em 99% das transações e em até 6 segundos em 50%;
  • custo baixo: fazer um Pix para pessoas físicas sempre é gratuito
  • disponibilidade: o Pix pode ser feito 24 horas por dia, em todos os dias do ano, incluindo sábados,
    domingos e feriados;
  • multiplicidade de casos de uso: o Pix atende a todo e qualquer pagamento ou transferência feito hoje
    no Brasil, incluindo transferências entre pessoas, entre empresas, quitação de faturas e pagamentos ao governo
  • conveniência: o Pix pode ser usado com cadastramento de chave de número de aparelho celular, CPF ou leitura de um QR Code
Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).