Os fundos de investimentos zeraram o fluxo negativo do ano e registraram captação líquida de R$ 64 bilhões em julho, conforme dados do boletim diário da Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) divulgados nesta quarta-feira, 5, com as informações fechadas até 31 de julho de 2020.

Por categoria, os fundos de renda fixa tiveram novos aportes pelo segundo mês consecutivo e registraram captação líquida de R$ 35,43 bilhões em julho.

Na sequência, os multimercados receberam R$ 23,4 bilhões em recursos novos, enquanto os fundos de ações, que não deixaram de arrecadar ao longo de todo ano, tiveram o ingresso adicional de R$ 5,15 bilhões no mês passado.

No acumulado do ano até 31 de julho, a renda fixa ainda registra saída de R$ 57 bilhões, compensada pelo fluxo positivo de R$ 59 bilhões em multimercados e de R$ 55,7 bilhões em fundos de ações.

Nas demais categorias, os fundos de previdência tiveram aportes líquidos de R$ 7,1 bilhões; os fundos de investimentos em participações (FIPs) tiveram entrada de R$ 6,77 bilhões, ao passo que os cambiais mostraram acréscimo de R$ 1,13 bilhão. Na ponta contrária, os fundos de investimentos em direitos creditórios (FIDCs) registram resgate de R$ 14,7 bilhões em recursos. Ao todo, a captação da indústria (setor) brasileira de fundos soma R$ 62,1 bilhões no acumulado de 2020.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.