A probabilidade de um pequeno investidor sair no lucro com o day trade, que é a compra de ativos financeiros para venda no mesmo dia, é menor do que 50%, que é chance de uma moeda dar cara ou coroa ao ser jogada para cima.

O alerta é do pesquisador da FGV (Fundação Getúlio Vargas) Fernando Chague, um dos autores de um levantamento feito no ano passado que mostrou que 97% dos pequenos que se dedicaram a esse tipo de operação por mais de um ano perderam dinheiro.

“O day trade é uma operação de curto prazo. Você tem que acertar o que vai acontecer com o papel no dia, e isso é muito próximo de jogar uma moeda para cima. Mas para a pessoa física é pior que uma chance de 50%, porque quem está do outro lado da operação está mais bem informado e tem mais tecnologia a seu favor”, aponta.

O estudo feito por Chague e por outro pesquisador, Bruno Giovannetti, voltou a ser debatido porque esse tipo de operação ganhou força em meio à quarentena imposta pelo coronavírus.

O volume negociado na Bolsa de mini dólar, por exemplo, que é um contrato de menor valor da moeda americana voltado a pessoas físicas e que costuma ser operado por day traders, triplicou em 2020.

“Descobrimos que é até possível acertar um dia ou outro. Mas acertar a maior parte dos dias por mais de um ano, ganhando de forma sistemática, isso é praticamente impossível”, afirmou Chague ao 6 Minutos.

Fernando Chague, pesquisador da FGV (Crédito: Arquivo pessoal)

Confira abaixo a conversa completa:

Como surgiu a ideia de fazer uma análise sobre day trading? Essa ideia surgiu em conversa com a CVM [Comissão de Valores Mobiliários], que estava vendo essa tendência de aumento muito expressivo de pessoas físicas fazendo day trading.

Estavam querendo entender um pouco esse fenômeno. Essa tendência já estava aumentando muito em 2019, inclusive com algumas corretoras anunciando que não cobrariam mais taxa de corretagem. Para atrair clientes, começaram a zerar essa taxa.

Fomos olhar o que estava acontecendo. Sabemos que é muito difícil alguém operando de casa conseguir ganhos sistematicamente, já que a competição é desigual, são grandes instituições financeiras com muito dinheiro investido em tecnologia, entre outras coisas.

Fomos ver os resultados e fiquei surpreso quando olhei os números pela primeira vez. O fato é que a grande maioria das pessoas perde dinheiro quando insiste em fazer day trading.

Quais as principais descobertas do estudo? Em primeiro lugar, é importante saber que o day trade é aquela operação em que se compra e vende no mesmo dia, e que pode ser feita em qualquer ativo financeiro.

A primeira coisa que notamos é que os principais ativos, disparados na frente, operados pela pessoa física eram os minicontratos de índice e de dólar. Em terceiro, bem longe, começavam a aparecer as ações, mas os principais eram os minicontratos.

Como muitas corretoras que oferecem cursos para traders dizem que um ano de prática é o tempo para se dominar essa arte, por assim dizer, fomos olhar esse espaço de tempo para ver se isso se confirmava, se a prática levava à perfeição.

Pegamos todo mundo que começou a operar day trade entre 2013 e 2015, ao redor de 20 mil pessoas, e pegamos 300 pregões, que dá pouco mais de um ano. De 20 mil pessoas, esse número caiu para cerca de 1,5 mil depois de um ano.

Dos que continuaram por mais tempo que isso, por mais que 300 pregões, 97% perderam dinheiro.

Aí analisamos: será que quem ganha ganha muito? Vale a pena esse risco? E vimos que na verdade, do que ganharam, apenas 8 ganharam mais que R$ 300 por dia, ou seja, R$ 6 mil por mês.

Ou seja, a fração da fração dos que ganharam dinheiro, não ganharam muito, e correram muito risco.

A pandemia de coronavírus estimulou o crescimento do day trade? Acredito que sim. Existe um movimento de pessoas físicas entrando na bolsa, operando diretamente via corretoras. Isso já estava crescendo desde o ano passado, em parte porque a taxa de juros está muito baixa, e as pessoas estão migrando pra investimentos mais arriscados.

Uma parte dessas pessoas está operando day trading.

Existe um aspecto psicológico no day trading, como se fosse um jogo? Sim, existe um componente de diversão, de cassino mesmo, de gente querendo se divertir pela emoção de ganhar e perder.

Um jornal americano publicou uma reportagem interessante há pouco tempo, com entrevistas com pessoas que apostavam em sites esportivos. Como esses eventos foram cancelados por causa da pandemia, esses apostadores começaram a operar na bolsa.

Mas não é uma massa única. É claro que muita gente está simplesmente atrás de retorno, quer investir e ganhar dinheiro, não se trata apenas de especulação.

Porque é tão difícil ganhar dinheiro com essas operações? O day trade é uma operação de curto prazo. Você tem que acertar o que vai acontecer com o papel no dia, e isso é muito próximo de jogar uma moeda para cima. Mas para a pessoa física é pior que uma chance de 50%, porque quem está do outro lado da operação está mais bem informado e tem mais tecnologia a seu favor.

Quando você compra, e acha que vai subir, quem está do outro lado acha que vai cair.

E o provável é que quem está do outro lado é alguém que está mais informado que o pequeno investidor, que já parte na desvantagem. Nesse cenário, quem é profissional e tem mais tecnologia e mais acesso a informação, tem mais chance de ganhar.

Assim, a probabilidade da pessoa física cai para abaixo de 50%. Um dia ou outro você pode ganhar, tem 48%, 47% de chance de ganhar. Descobrimos que é até possível acertar um dia ou outro. Mas acertar a maior parte dos dias por mais de um ano, ganhando de forma sistemática, isso é praticamente impossível.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.