O BC (Banco Central) continua trabalhando para ampliar as novidades do Pix, que foi criado no final do ano passado. As próximas implementações devem ser o Pix Saque e Pix Troco, o pagamento offline, por aproximação e a instituição fala até em pagamentos internacionais no longo prazo.

João Manoel Pinho de Mello, diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução do BC, diz que as novidades vão trazer ainda mais inclusão financeira no país. “Muitas vezes, quem paga não tem acesso a internet, seja porque não tem rede ou porque é difícil ter um plano a acesso de dados mais generoso. As pessoas precisam conseguir pagar sem internet”, afirma Mello sobre o Pix offline.

O mesmo vale para o Pix Saque e Troco, que deve ser implementado no terceiro trimestre. Segundo Mello, muitos locais não possuem agências bancárias ou um caixa, o que dificulta o acesso ao dinheiro físico. “A modalidade vai ser uma prestação do serviço e voluntária pelos estabelecimentos, mas o BC espera uma enorme adesão. Este é um instrumento fantástico de inclusão financeira”, afirma.

Próximas novidades para o Pix

Em evento da Febraban, Mello contou que o Pix Saque e Troco, o offline e pagamento por aproximação são as próximas novidades que devem ser implementadas ainda neste ano.

3º trimestre

  • Pix Saque e Pix Troco: com a modalidade, os clientes vão conseguir sacar dinheiro no varejo. O saque pode ser direto ou então como troco de alguma compra que faça dentro do estabelecimento. Os locais não são obrigados a oferecer a funcionalidade;
  • Agendamento do Pix cobrança e do Pix com chave: estas transações vão poder ser agendadas.

4º trimestre

  • Pix por aproximação: vai funcionar da mesma forma que os cartões por aproximação. A ideia é que o cliente consiga realizar um pagamento aproximando o celular.
  • Pix offline: vai permitir pagamentos sem internet e servirá tanto para os clientes como para os recebedores. Ambos podem estar sem acesso à rede ao mesmo tempo, por exemplo.
  • Mecanismo especial de devolução: já foi aprovado pelo BC e entra em operação no dia 16 de novembro, para possibilitar a devolução mais rápida de transferências através de Pix em caso de fraude ou falha operacional.

2022

  • Pix garantido: segundo Mello, a funcionalidade vai permitir a realização de compras parceladas com o Pix. “No cartão, quando você parcela, o banco garante que os valores serão pagos. Vai ser a mesma coisa com o Pix”, afirma.
  • Débito automático: o cliente vai poder usar o Pix para fazer pagamentos recorrentes.

Sem data definida

  • Pix internacional: a ideia é que haja uma ligação entre o Pix e sistemas de pagamentos internacionais. Na prática, turistas conseguiriam usar o Pix ao visitar o Brasil e o mesmo com brasileiros no exterior.

“Já começamos conversar para criar o Pix internacional. A ideia é que a pessoa possa se conectar com sistemas de pagamentos instantâneos do exterior. Serviria tanto para um turista no Brasil ou para um brasileiro no exterior poder usar a funcionalidade do outro sistema de pagamentos”, afirma Mello.

Pix no varejo

Mello diz que as novas ferramentas devem ampliar a adesão do Pix pelo varejo, principalmente nos comércios menores.

Elaine Shimoda, head de Inovação em Pagamentos do Mercado Livre e Mercado Pago, afirma que a adoção do Pix foi excelente para o negócio. “Queremos continuar sendo o varejo com a logística mais rápida do Brasil. Quando um cliente faz uma compra com boleto, temos um tempo de compensação da compra que não existe com o Pix”, afirma Shimoda.

Leia também: Sinal dos tempos: transações com Pix avançam e caem as feitas em maquininhas

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).