Investidores migraram para os maiores hedge funds desde a última crise financeira em busca de segurança. Agora, pagam um preço alto. Grandes fundos têm decepcionado clientes durante um período de turbulência do mercado que, em teoria, deveria representar uma chance sem precedentes de ganhar dinheiro. Em vez de lucrar, porém, alguns dos maiores hedge funds do mundo mal conseguiram proteger seus investidores de perdas.

As perdas afetam em grande parte investidores institucionais influentes – fundos de pensão, seguradoras e dotações -, os que mais contribuem para os ativos do setor e investem nos maiores fundos. Um acerto de contas se aproxima à medida que clientes aceleram a fuga. Investidores retiraram US$ 89 bilhões de hedge funds nos primeiros nove meses do ano, principalmente de grandes empresas, de acordo com dados da Eurekahedge.

O indicador da Hedge Fund Research, que dá mais peso a fundos maiores, acumula queda de 4,4% neste ano até setembro, enquanto todos os hedge funds, em média, conseguiram obter pequeno lucro. Nomes de peso com fraco desempenham incluem a Bridgewater Associates, potências em investimento quantitativo como Renaissance Technologies e Winton, CQS, de Michael Hintze, e Lansdowne Partners.

“Uma parte muito grande dos ativos investidos em hedge funds maiores não teve desempenho tão bom, e isso faz com que investidores reavaliem seus objetivos”, disse Chris Walvoord, chefe global de pesquisa de hedge funds da consultora de investimentos Aon. Estão perguntando: “Por que estou investindo nisso? Qual é o propósito?”

Hedge funds de maior porte têm sido tradicionalmente vistos como mais estáveis quando os mercados estão em baixa, uma percepção confirmada pelos dados de desempenho que remontam a mais de uma década. Os grandes fundos perderam menos do que seus pares de menor porte em quase dois terços do tempo desde a crise financeira global, de acordo com análise de todos os meses de perdas de 2008 a 2019. Mas esse padrão foi rompido em 2020.

Hedge funds com mais de US$ 1 bilhão em ativos acumularam cerca de US$ 60 bilhões em perdas por desempenho neste ano até setembro, ou pouco mais de 5% do capital, segundo a Eurekahedge. Os investidores teriam se saído muito melhor com um fundo de índice que rastreia o mercado acionário: o S&P 500 subiu 5,6%.

Os oito meses até agosto não foram nada positivos: o principal fundo da Bridgewater Associates perdeu 18,6%; o Renaissance Institutional Equities caiu 13%; o principal fundo da Winton mostrou baixa de cerca de 19%; e os hedge funds CQS de Hintze perderam 42,5%; enquanto o fundo Lansdowne Developed Markets caiu quase 22%.

Com as eleições nos Estados Unidos se aproximando e a pandemia ainda causando estragos nos continentes, há poucos sinais de que a volatilidade que sacudiu os hedge funds diminua.

“A fragilidade do mercado permanece elevada e a velocidade também é alta, o que significa que movimentos mais nítidos, mas de curta duração, são mais prováveis de ocorrer”, disse Adam Jones, sócio da empresa de consultoria de investimentos Albert E Sharp.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).