Já existem vários vídeos e artigos sobre o PIX com todas as vantagens que este novo meio de pagamento possui em relação aos meios atuais, como TED, DOC, dinheiro, cartão etc. Concordo com eles, e gosto muito da solução implementada pelo Banco Central. No entanto, quero compartilhar quatro situações hipotéticas em que o PIX ainda não substituirá os outros meios, pelo menos por enquanto. Vamos a elas:

  1.  Eu tenho uma escola de ensino infantil e emito boletos das mensalidades. Apesar de o PIX ser mais prático e muito mais barato, continuarei emitindo boletos porque assim posso definir uma multa por atraso e juros de mora, que são calculados automaticamente quando o pagamento for após a data de vencimento. Imagina a confusão se os pais começarem a ligar no departamento financeiro para solicitar cálculo de mora e multa para fazer um PIX, ou pior, pagarem atrasados somente o valor normal e o meu financeiro ter de ir atrás deles para cobrar alguns reais de multa. Resumindo: a possibilidade de cobrar por atrasos dá vantagem ao boleto em algumas transações.
  2. Eu estou em uma loja e o preço do produto é o mesmo para qualquer meio de pagamento. Vou preferir usar o cartão de crédito para ganhar pontos e ter um prazo a mais para pagar. O dinheiro aplicado por este período rende juros, que no mercado financeiro chamamos de float. Resumindo: os benefícios acessórios dão vantagens ao cartão de crédito quando o valor de pagamento é igual.
  3. Eu estou na Praça da República e resolvo comprar uma água. O vendedor ambulante tem uma plaquinha com um QR Code, super fácil e simples. Entretanto, para ler o QR Code, vou precisar tirar o celular do bolso e desbloqueá-lo. Um aparelho sem a tela de bloqueio é o paraíso dos ladrões, pois eles têm acesso direto a todos os apps. O meu irmão já teve o vidro quebrado e o celular furtado enquanto dirigia porque estava usando um app de mapas, e foi um inferno reaver o dinheiro transferido dos diversos apps que possuía. Em ruas ou praias perigosas, eu não quero nem sacar o celular do bolso ou da bolsa, quanto mais sinalizar aos ladrões das redondezas que estou com o celular desbloqueado fazendo um pagamento instantâneo. Vou comprar coco e milho na praia pagando em dinheiro mesmo. Resumindo: segurança primeiro.
  4. Eu aluguei um apartamento e o proprietário exigiu três meses de aluguel em garantia. Se posso fazer um depósito caução usando o PIX, contratar um seguro-caução ou emitir um cheque caução, vou preferir o último porque confio na minha qualidade de crédito. Como não quero deixar dinheiro parado com o proprietário, nem gastar com o prêmio do seguro, vou emitir um cheque. Para aumentar minha segurança e minimizar o risco de ser descontado sem justificativa, vou escrever no verso do cheque que ele é um cheque caução, indicar em qual circunstância ele poderá ser depositado e fazer o cheque nominal. Resumindo: o cheque é um título executivo extrajudicial hábil para embasar uma execução, portanto ainda é usado como título de garantia.

De toda forma, ainda não encontrei uma situação em que TED seja melhor que um PIX. TED tem tarifa em vários bancos, não transfere 24×7 e demanda todos os dados bancários da parte recebedora. Excluindo eventuais indisponibilidades sistêmicas ou limites máximos transacionais para o PIX no início do Sistema de Pagamentos Instantâneos, não identifiquei casos em que a TED não possa ser substituída pelo PIX, que não seja por falta de conhecimento deste novo meio de pagamento que veio para ficar.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).