Os mercados globais entraram em pânico na sexta-feira (26) com o avanço de uma nova variante da covid, batizada de ômicron. De acordo com a XP, o mercado já esperava o surgimento de novas variantes da covid, mas o que assustou os investidores foi a alta taxa de transmissibilidade da nova cepa e o grande número de mutações do vírus.

A XP afirma que as novas restrições de fronteiras que já estão sendo colocadas em prática por causa da variante atrasa o plano de normalização da economia global e traz impactos diretos na bolsa de valores.

“Por isso que as ações de companhias aéreas caíram quase 15% na sexta-feira, além do petróleo, que caiu 11%. Por enquanto, esses setores mais impactados são os que sofrem mais. Porém, caso tenhamos medidas restritivas mais drásticas sendo anunciadas no futuro (como o fechamento de lojas e espaços públicos), outros setores também poderão ser afetados, como os setores de serviços, por exemplo shoppings e varejo, como vimos ao longo de 2020”, afirma relatório da XP.

O grande receio dos investidores é de que, com o avanço da doença, os governos precisem implementar novas restrições. “Aumenta-se o risco para um cenário de menor atividade global, menor apetite por risco, manutenção de políticas fiscais acomodatícias e deterioração das cadeias globais de produção”, afirma relatório da Genial Investimentos.

A inflação também pode ser impactada caso haja uma nova onda da covid. Tanto a XP como a Genial afirmam que uma nova onda de restrições diminuiria as pressões sobre a inflação. “Se existe algo de ‘positivo’ para extrair dessa notícia muito ruim, é que o risco de um sobreaquecimento da economia global, levando a uma inflação descontrolada, diminui na margem”, afirma a XP.

Cautela é a palavra do momento

A avaliação da Genial Investimentos e da XP é de que o momento é de cautela, já que ainda não há muitas informações a respeito da nova cepa. Para a XP, os próximos 15 dias serão relevantes para entender a magnitude da ômicron.

“Uma conclusão já parece certa, a de que algum impacto sobre a economia global será inevitável. A normalização das viagens, dos eventos e a volta da vida ‘pré-pandemia’ corre o risco de ser postergada novamente. A dúvida é saber quanto tempo, e qual a magnitude desse impacto, além do efeito deletério sobre a saúde das pessoas”, afirma a XP.

A Genial defende a importância da distribuição de vacinas em todo mundo para controlar a pandemia de uma vez por todas. “Na nossa visão, a pandemia só deixará de ser um risco a partir do momento em que observarmos um número significativo de pessoas com completa vacinação de maneira homogênea no mundo todo. Até lá, mantemos nossa visão de que o risco de aumento de casos por covid ainda não pode ser descartado”, afirma relatório da Genial.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).