O interesse e a demanda por Bitcoin aumentaram muito em 2021, apesar da volatilidade das criptomoedas. Mais da metade dos atuais investidores entraram nos últimos 12 meses, de acordo com a corretora de criptomoedas Grayscale Investments.

Em uma pesquisa com 1.000 pessoas, cerca de um quarto disse que já possuía Bitcoin – desse total, 55% começaram a investir neste ano.

Os resultados ressaltam o crescimento explosivo que as criptomoedas tiveram em 2021 em meio à popularidade crescente de até mesmo produtos auxiliares, como NFTs (tokens não fungíveis).

Consolidação do Bitcoin

O Bitcoin subiu cerca de 70% em 2021 após uma recente onda de vendas, enquanto outros tokens, como Ether, viram seu valor aumentar cinco vezes.

“Está se tornando cada vez mais difícil para os investidores ignorar o Bitcoin já que seu preço continua subindo”, disse a pesquisa.

Quase 80% dos entrevistados nos EUA disseram que estariam mais propensos a colocar dinheiro na classe de ativos se existisse um fundo Bitcoin negociado em bolsa, produto que os reguladores ainda não aprovaram.

A Grayscale, que conduziu a pesquisa em meados de agosto, entrou recentemente com um pedido para converter seu Grayscale Bitcoin Trust de US$ 35 bilhões (ticker GBTC) em um ETF ligado diretamente à criptomoeda. Mas, até agora, os reguladores dos EUA permitiram apenas o lançamento de um fundo Bitcoin baseado em futuros.

Investidores

De acordo com a pesquisa da Grayscale, as preferências dos investidores sobre a compra de criptomoedas estão mudando. Em 2020, mais de três quartos disseram que preferiam comprar Bitcoin por meio da bolsa, enquanto cerca de 60% agora dizem que preferem negociar por meio de um aplicativo de criptografia como eToro ou Coinbase. Pouco mais de um terço disse que prefere uma plataforma exchange.

A corretora de ativos digitais disse que os investidores estão tratando cada vez mais o Bitcoin como reserva de valor e muitos têm optado por manter seus investimentos.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).