Investidores de mercados emergentes entram na primeira semana de maio com motivos tanto para otimismo quanto para pessimismo.

Apesar do apoio dos planos de estímulo dos EUA, bancos centrais com políticas monetárias mais frouxas e alta dos preços das commodities, a preocupação com a crise de Covid-19 na Índia, a escalada das tensões EUA-Rússia e a saga dos títulos de dívida da gestora chinesa Huarong podem frear investidores.

Operadores estão menos otimistas sobre as perspectivas para países em desenvolvimento em meio a temores crescentes com a inflação, e a maioria dos investidores que buscou refúgio com posições em dinheiro não está pronta para usá-lo, segundo pesquisa do HSBC.

“Os mercados emergentes continuarão divididos entre fatores positivos da recuperação econômica dos EUA e a situação de infecções muito difícil em países como Brasil e Índia”, disse Tai Hui, estrategista-chefe de mercado asiático da JPMorgan Asset Management, em Hong Kong. “Uma recuperação mais forte dos EUA também poderia trazer possível inflação e rendimentos mais altos, o que pode limitar o avanço de mercados que são tradicionalmente vulneráveis ao aumento dos yields dos Treasuries.”

O Morgan Stanley disse que prefere dívida local de mercados emergentes em vez de moedas, já que os bancos centrais de países em desenvolvimento devem evitar apertar demais a política monetária. Já o Deutsche Bank prevê que o yuan chinês pode subir ainda mais com as fortes entradas, enquanto recomenda postura cautelosa em relação à lira turca.

Embora abril tenha sido um mês positivo para mercados emergentes, pois títulos e moedas registraram os primeiros ganhos mensais de 2021, a história sugere possíveis desafios à frente. Maio tem sido um mês de perdas para ações, moedas e títulos locais de países em desenvolvimento em pelo menos sete dos últimos 10 anos, segundo dados compilados pela Bloomberg.

As decisões de política monetária de bancos centrais na Tailândia, Turquia e Brasil nesta semana podem ajudar investidores a decidirem se é hora de comprar.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).