A tensão do mercado a crise da incorporadora chinesa Evergrande, a nova alta de juros no Brasil nesta semana e a possível retirada de estímulos à economia dos Estados Unidos fizeram o Ibovespa cair 2,33%, a 108.843 pontos, com ações de bancos e empresas de commodities liderando as perdas.

No ano, o principal índice da Bolsa está em queda de 9%.

O ambiente de maior aversão ao risco no mundo todo fez o dólar subir 1,32%, a R$ 5,35.

O que aconteceu com a Bolsa? Os mercados do mundo todo apresentaram fortes perdas com as evidências cada vez maiores de que a incorporadora chinesa Evergrande não possui capacidade de pagamento dos seus US$ 305 bilhões em passivos.

Na avaliação dos investidores, esse endividamento da segunda maior construtora da China pode gerar riscos mais amplos para o sistema financeiro do país se não for estabilizado. A incorporadora disse no domingo que começou a reembolsar os investidores em seus produtos de gestão de fortunas com imóveis.

Ações de empresas de commodities, como Vale e Petrobras, foram alguns dos principais destaques negativos. Além disso, papéis de bancos também caíram forte, refletindo temor de que novas altas da Selic (taxa básica de juros) esfriem o mercado de crédito no país.

A Braskem fechou o dia com perdas de mais de 10%, já que a Novonor (antiga Odebrecht) anunciou que venderá sua participação na petroquímica.

Outra preocupação do mercado é com a chamada “super quarta”, com Fed (banco central dos EUA) e o Banco Central brasileiro definindo os juros básicos. No Brasil, a expectativa do mercado é de alta de 1 ponto percentual na Selic, o que levaria a taxa básica a 6,25% ao ano.

O que aconteceu com o dólar? A moeda americana foi impulsionado pela aversão a risco no exterior, ditada por medo de contágio dos problemas financeiros da Evergrande. O real registrou o pior desempenho global nesta sessão, nível de fechamento mais alto desde 23 de agosto.

Maiores altas:

Copel (4,98%)
Sabesp (1,81%)
CVC (0,88%)

Maiores baixas:

Braskem (- 11,54%)
Via (- 6,74%)
Petro Rio (- 6,18%)

(Com a Reuters)

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).