Puxado pela empresa de energia CPFL e pela fabricante de aviões Embraer, que apresentaram bons resultados para o segundo trimestre, o Ibovespa fechou esta sexta-feira (13) em alta de 0,41%, a 121.193 pontos. O desempenho do índice foi contido pela forte queda nas ações das varejistas.

O dólar fechou o dia em queda de 0,21%, a R$ 5,24.

O que aconteceu com a Bolsa? Após três quedas seguidas, o Ibovespa se recuperou nesta sexta, mas teve o seu desempenho contido pela forte queda das varejistas. A Magazine Luiza esteve entre as maiores pressões de baixa após o seu balanço, enquanto que a CPFL e a Embraer, que também divulgaram resultados, tiveram forte alta.

Na semana, o Ibovespa acumula declínio de 1,3%, em meio a contínuas preocupações com o cenário fiscal do país, bem como a trajetória da inflação e dos juros, além de ruídos políticos persistentes.

A Embraer reportou o primeiro lucro trimestral recorrente em mais de três anos, na medida em que se beneficia de uma recuperação parcial do setor de viagens.  A CPFL  informou um salto de 143,6% no lucro do segundo trimestre, em meio a uma retomada no consumo de eletricidade no país.

Já a Magalu, mesmo após divulgar outro forte conjunto de resultados no segundo trimestre na visão de analistas, apresentou uma desaceleração do crescimento do e-commerce em relação aos trimestres anteriores.

O que aconteceu com o dólar? O dólar acompanhou a fraqueza da moeda americana no exterior em meio ao alívio de temores sobre redução de estímulos nos Estados Unidos. Entretanto, os investidores continuam monitorando com cautela o ambiente fiscal doméstico.

Segundo Lucas Schroeder, diretor de operações da Câmbio Curitiba, direcionando esse movimento estava a notícia de que um índice que acompanha a confiança do consumidor dos Estados Unidos caiu drasticamente no início de agosto, para seu patamar mais baixo em uma década.

A leitura, negativa para a maior economia do mundo, ajudava a aliviar temores de que um superaquecimento levaria, em breve, a redução de estímulos pelo Federal Reserve (banco central dos EUA).

Também apoiando argumentos pró-manutenção da expressiva compra de títulos pelo banco central norte-americano, o Departamento do Trabalho dos EUA informou nesta semana que a inflação ao consumidor desacelerou em julho.

No entanto, comentou Schroeder, “os riscos fiscais e políticos que estamos vivenciando no Brasil acabam por segurar uma queda mais expressiva do dólar”.

Maiores altas:

CPFL (8,28%)
Embraer (7,33%)
Energisa (5,44%)

Maiores baixas:

Americanas (8,98%)
Via Varejo (6,55%)
Magalu (3,48%)

(Com a Reuters)

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).