Após finalmente zerar as perdas de 2020 no pregão de ontem, hoje o Ibovespa voltou a registrar uma forte alta e ficou muito perto de atingir o patamar dos 118 mil pontos. No fechamento, o principal índice da Bolsa subiu 1,47%, aos 117.857 pontos.

O dólar fechou em alta de 0,30%, cotado a R$ 5,1030, ganhando tração na parte da tarde conforme a moeda americana tomou fôlego também no exterior, após o Fed, banco central dos Estados Unidos,  manter, sem maiores surpresas, os juros perto de zero.

O que aconteceu com o dólar e a Bolsa? Nos EUA, o Federal Reserve prometeu seguir injetando recursos nos mercados de forma contínua contra a recessão, mesmo com as perspectivas para o próximo ano melhorando na esteira do começo da vacinação contra o Covid-19.

O BC norte-americano reiterou o compromisso de manter sua taxa básica de juros perto de zero até que a recuperação da economia esteja concluída, bem como vinculou seu programa de compras mensais de títulos do governo a tal objetivo.

Na visão do estrategista-chefe do banco digital modalmais, Felipe Sichel, o comunicado do Fed trouxe poucas novidades a não ser maior ‘guidance’ sobre compra de títulos. Ainda assim, na visão dele, com bastante espaço para interpretação livre do Fed.

Em Brasília, o Congresso Nacional concluiu o processo de aprovação da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) para 2021, dando mais um passo para a definição do Orçamento do próximo ano. O texto agora precisa ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Maiores altas:

Braskem (+ 5,61%)
Minerva (+ 4,26%)
Natura (+ 3,88%)

Maiores baixas:

Eletrobras ON (- 3,36%)
Eletrobras PNB (- 2,83%)
Yduqs (- 2,47%)

(Com a Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).