Após cinco pregões consecutivos de queda, o Ibovespa se recuperou nesta terça-feira (dia 21), encerrando em alta de 1,29%, a 110.249 pontos, em um dia de reavaliação do impacto de um calote da incorporadora chinesa Evergrande sobre o mercado imobiliário chinês.

Em meio a declarações dos presidentes do Senado e da Câmara, que acenaram com uma solução para os precatórios, o dólar fechou em queda de 0,84%, a R$ 5,28.

O que aconteceu com a Bolsa? O principal índice brasileiro se recuperou na esteira da recuperação dos mercados externos e também de declarações dos presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco, e Câmara, Arthur Lira, de que encontrarão uma solução para o pagamento dos precatórios.

No exterior, a expectativa é que o governo chinês interfira na crise da incorporadora Evergrande, que possui dívidas de mais de US$ 300 bilhões e cujo calote pode contaminar a economia da China.

“Desnecessário dizer que falhamos em mapear corretamente todos os riscos e a extensão dos danos recentemente”, escreveu o BTG Pactual em nota a clientes, prevendo que autoridades da China tenderiam a evitar uma crise total, mas que “ainda há dúvidas sobre o momento e a magnitude da interferência”.

O destaque do dia foram as ações da Méliuz e da Via, que subiu após informar que saiu de um patamar de cerca de 10 mil vendedores para 100 mil em um prazo de nove meses, superando estimativa anterior.

As ações ligadas ao setor de aço no Brasil seguiam fora das que exibiam recuperação nesta terça-feira, descolando de papéis de grandes bancos e de outras empresas de consumo doméstico.

Mas a reação das ações era limitada entre outros fatores pela expectativa por anúncios sobre política monetária no Brasil e nos EUA, ambos nesta quarta (dia 22).

O que aconteceu com o dólar? O dólar firmou queda no fim da manhã desta terça-feira, revisitando a casa de R$ 5,27 após flertar com R$ 5,38 na véspera, com as falas dos presidentes das duas Casas legislativas brasileiras alimentando algum otimismo no mercado sobre uma solução para o impasse bilionário dos precatórios.

Junto a ambos, o ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a dizer que confia no Congresso e a mostrar esperança de um desfecho positivo para a questão da conta de precatórios de quase 90 bilhões de reais para 2022.

Maiores altas:

Meliuz (13,60%)
Via (11,28%)
CVC (6,50%)

Maiores baixas:

IRB (- 1,84%)
Sul America (- 1,74%)
Raia Drogasil (- 1,16%)

(Com a Reuters)

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).