Com o pessimismo externo e o cenário político interno tenso, o dólar chegou a ser negociado acima de R$ 5,96 na manhã desta quinta-feira (dia 14), mantendo a tendência de alta observada ontem. No início da tarde, a moeda americana recuou, e operava em queda de 0,6%, a R$ 5,86, às 14h47.

Nesta quarta (dia 13), o desânimo com as perspectivas para a economia global, a incerteza sobre a duração da crise do coronavírus e a crise política fizeram a divisa encerrar o dia em alta de 0,6%, a R$ 5,90.

Os investidores estão preocupados com as notícias sobre novos surtos da doença e com as declarações do presidente do Fed, Jerome Powell, de que a economia dos EUA pode ficar estagnada por um longo tempo.

Há tensão também em torno do ambiente político no Brasil, com as incertezas trazidas pela eventual divulgação do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, na qual, segundo relatos, o presidente Jair Bolsonaro teria relacionado a intenção de troca do comando da PF no Rio à proteção de sua família.

Em nota, o Bradesco disse que a decepção em relação às perspectivas para a política monetária americana, bem como temores em relação a tensões entre EUA e China, ajudavam a impulsionar a aversão a risco global.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse nesta quinta-feira que está muito decepcionado com a China, uma vez que o novo coronavírus surgiu pouco depois de os dois países fecharem a primeira fase do acordo comercial.

Em evidência do cenário sombrio para a maior economia do mundo, mais 2,98 milhões de americanos fizeram pedidos de auxílio desemprego na semana passada.

(Com a Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.