Ajudada pela alta nos preços do petróleo e consequente valorização dos papeis da Petrobras, a bolsa fechou em alta de 1,81% nesta quinta-feira (dia 2), para 72.253 pontos. Já o dólar encerrou o dia quase estável, subindo 0,09%, a R$ 5,26.

A recuperação do Ibovespa, principal índice da B3, aconteceu após dois pregões seguidos de queda.

Hoje, a Arábia Saudita convocou reunião de emergência entre países da Opep (Organização dos Países Produtores de Petróleo), a Rússia e outros produtores para estabilizar o mercado da commodity. No mês passado, um desentendimento entre os sauditas e os russos sobre o volume de produção causou um racha no setor, e levou ao aumento do volume de exploração pelas duas partes.

Com a convocação, os preços do petróleo subiram mais de 40%, o que estimulou as ações da Petrobras a fecharem o pregão com aumento de mais de 8%.

“A bolsa brasileira trabalhou no campo positivo sustentada principalmente pelas ações da Petrobras, estimulada pela alta do petróleo no mundo”, disse Gustavo Almeida, analista de ações da casa de análise Spiti.

Coronavírus

A despeito do respiro, os investidores continuam preocupados com os impactos sobre a economia do avanço da pandemia de coronavírus pelo mundo, que nesta quinta ultrapassou o número de 1 milhão de casos.

Entre os dias 22 e 28 de março, os Estados Unidos contabilizaram 6,65 milhões de pedidos de seguro-desemprego, novo recorde e o dobro do número registrado na semana encerrada em 21 de março.

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).