As bolsas de Nova York tiveram nesta quinta (11) o pior pregão em quase três meses, em meio a preocupações de que uma nova onda de coronavírus possa atrasar a já incerta recuperação da economia.

Em dia sem pregão no Brasil em razão do feriado de Corpus Christi, o recuo generalizado dos mercados americanos também derrubou os índices de ações brasileiras negociados nos EUA, o que indica que a retomada do Ibovespa na sexta (12) deve acontecer em terreno negativo.

“Os ganhos do mercado de ações estão lentamente sendo aniquilados à medida que a segunda onda de coronavírus atinge os EUA”, explica o analista de mercado financeiro da Oanda, Edward Moya.

Com a piora no cenário, o índice VIX, espécie de termômetro do medo em Wall Street, teve alta de 47,95%, e foi a 40,79 pontos.

O que aconteceu? O índice Dow Jones encerrou em queda de 6,90%, a 25.128,17 pontos, o maior recuo percentual desde 16 de março. O S&P 500 cedeu 5,89%, a 3.002,10 pontos, enquanto o Nasdaq perdeu 5,27%, a 9.492,73 pontos.

As perdas foram generalizadas, mas a ação da Boeing apareceu como destaque negativo, com tombo de 16,42%. Os bancos também registraram baixas consideráveis, com o Bank of America recuando 10,04%, o Citigroup caindo 13,37% e o Goldman Sachs desabando 9,08%.

O iShares MSCI Brazil Capped ETF (EWZ) chegou a cair mais de 9%, e desacelerou a queda no fim da tarde, fechando o dia em 7,84%. Na quarta-feira (10), ele havia registrado queda menos acentuada, de 3,20%. O EWZ é composto de ações de empresas como Vale, Petrobras, Ambev, Itaú, Bradesco, Renner e a própria B3, principal operadora da bolsa.

O Dow Jones Brazil Titans 20 ADR (BR20), que também compila ações de empresas brasileiras, caiu 8,71%, bem mais que a queda de 3,79% registrada ontem. Antes, o índice chegou a se valorizar por sete pregões seguidos, entre 29 de maio e 5 de junho.

O que explica o dia tão ruim nos mercados internacionais? Desde o início do dia, o quadro foi de aversão ao risco, ainda repercutindo as previsões pessimistas do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para a atividade econômica norte-americana. Ontem, após decisão de política monetária, a autoridade monetária projetou que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolherá 6,5% este ano e que a taxa de desemprego ficará acima de 9%.

Pela manhã, o Departamento de Trabalho dos EUA informou que os pedidos de auxílio-desemprego tiveram queda de 355 mil na semana passada, a 1,595 milhão, prosseguindo movimento descendente, mas ainda na casa do milhão.

À tarde, os principais índices acionários aprofundaram o mergulho, em meio a novos dados sobre a pandemia de coronavírus. O Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês) dos EUA revelou que o número de novos casos teve alta de 20 mil, mais que o avanço de cerca de 17 mil na atualização anterior. Texas, Califórnia e Flórida são alguns dos Estados que vêm registrando aumentos mais consideráveis nos diagnósticos.

(com Estadão Conteúdo)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).