O bitcoin seguia nesta sexta-feira (26) para sua pior semana desde março, com uma derrocada nos mercados de títulos globais que provocou uma liquidação de ativos mais arriscados. A maior criptomoeda do mundo caiu 6%, para US$ 44.451, antes de recuperar a maior parte de suas perdas.

Às 9h53, exibia baixa de 0,56%, a US$ 46.825,46, em curso para uma queda de cerca de 20% esta semana. Se confirmado, o recuou marcará a perda semanal mais acentuada desde março do ano passado, quando temores sobre o novo coronavírus causaram derrubaram os mercados financeiros. A liquidação ecoou nos mercados acionários, onde as ações europeias caíram até 1,5%, com as preocupações sobre as altas avaliações também afetando a demanda de investidores.

“Quando o voo para o modo de segurança está ativado, são os investimentos mais arriscados que são puxados primeiro”, escreveu Denis Vinokourov, da bolsa de criptomoedas BeQuant, em Londres. O bitcoin subiu cerca de 60% desde o início do ano, atingindo um recorde histórico de US$ 58.354 neste mês, à medida que empresas como Tesla e Mastercard anunciaram adoção de criptomoedas.

O Bitcoin Trust, da Grayscale, que teve enormes ingressos em meio ao aumento do interesse em criptomoedas e que administra quase US$ 33 bilhões em ativos, caiu 5,5% em relação ao fechamento anterior. O Purpose Bitcoin ETF, que se tornou este mês o primeiro fundo negociado em bolsa do mundo fisicamente liquidado por bitcoin, era negociado a US$ 7,41 contra um valor patrimonial líquido de 9,36.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).