O Bitcoin e o Ether atingiram recordes históricos embalados pela alta das criptomoedas que alguns analistas atribuem à busca por um refúgio contra a inflação.

O Bitcoin, maior token digital do mundo, saltou 3,6% para US$ 68.513, enquanto o Ether teve um avanço mais modesto para cerca de US$ 4.840. O valor total dos tokens digitais rastreados pelo CoinGecko atingiu cerca de US$ 3,1 trilhões.

Tentar descobrir por que as moedas virtuais estão se recuperando costuma ser uma tarefa difícil, mas algumas teorias apontam para o apetite por ativos que podem gerar retornos mesmo enquanto a recuperação da pandemia atiça a inflação. O Bitcoin subiu mais de 130% este ano e o Ether cerca de 550%, embora para críticos a volatilidade inerente aos tokens digitais prejudique a visão de que sejam uma reserva de valor.

Os hedges contra a inflação estão “sendo demandados, com a liderança da criptografia”, escreveu Chris Weston, chefe de pesquisa da Pepperstone Financial, em uma nota, acrescentando que “a criptografia é onde está o dinheiro rápido”.

Rendimentos reais em valores recorde também podem estar alimentando o apetite por investimentos mais arriscados, levando alguns mercados a níveis perigosos. O Federal Reserve alertou, em relatório, que os preços dos ativos estão vulneráveis ​​caso o cenário azede. Ele também sinalizou para os perigos das stablecoins, um tipo de token que deveria ter um valor estável.

O Bitcoin alcançou um recorde pela última vez em outubro, após o lançamento do primeiro fundo negociado em bolsa vinculado ao Bitcoin para investidores dos EUA. A etapa marcante alimentou a narrativa de que as moedas virtuais estão ganhando maior aceitação popular, inclusive de investidores institucionais.

Impulso ‘Final’

Ainda assim, a jornada tem sido volátil. O token caiu abaixo de US$ 30.000 em junho em meio a críticas ao seu consumo de energia e à repressão à criptomoeda da China. Em seguida, ele se recuperou em parte à medida que o setor de criptografia se ajustava aos lados da China.

“Este rompimento no Bitcoin pode sinalizar o início de uma flexão final para o quarto trimestre, antes que o mercado de criptografia mostre uma consolidação mais pronunciada no próximo ano”, disse a Fundstrat em um relatório de estratégia técnica na segunda-feira. “A aposta em Bitcoin, Ethereum e muitos outros altcoins parece provável nas próximas semanas.”

Outra teoria para o rali do Bitcoin é o quase onipresente Elon Musk, homem mais rico do mundo. Em uma pesquisa que criada por Musk, seus seguidores no Twitter votaram a favor da venda de 10% da participação do bilionário na fabricante de carros elétricos Tesla.

Isso levanta a questão de o que ele pode fazer com os lucros. Musk disse anteriormente que gostaria de ver o sucesso do Bitcoin e que ele pessoalmente comprou Bitcoin, Ether e Dogecoin.

Ganhos para o Bitcoin

Michael Saylor, presidente-executivo da MicroStrategy, mencionou os alegados benefícios do Bitcoin em uma resposta ao tweet da pesquisa de Musk. A conversão do balanço patrimonial da Tesla em Bitcoin “proporcionaria diversificação, proteção contra a inflação e mais vantagens para todos os investidores de maneira eficiente em termos fiscais”, disse ele.

O mercado de ativos digitais com pouco mais de uma década quase quadruplicou em relação ao valor do final do ano de 2020. Alguns indicadores técnicos sugerem que a ascensão do Bitcoin pode ser devido a uma pausa, de acordo com Katie Stockton, fundadora da Fairlead Strategies.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).