O Bitcoin despencou 20% em relação aos recordes registrados no início deste mês, enquanto uma nova variante do coronavírus estimula investidores a se desfazerem de ativos de risco ao redor do mundo.

A maior criptomoeda caiu 8,9%, para US$ 53.624, na sexta-feira, durante o horário de negociações de Londres. O Ether, segunda maior moeda digital, caiu mais de 12%, enquanto o Bloomberg Galaxy Crypto Index mais amplo caiu até 7,5%.

Uma nova variante identificada no sul da África estimulou liquidações em todos os mercados, com as ações europeias caindo para mínimas que não eram vistas desde julho e mercados emergentes também em queda.

O próprio Bitcoin está sob pressão desde que atingiu um recorde de quase US$ 69.000 no início deste mês, com o entusiasmo sobre o primeiro fundo negociado em bolsa dos EUA vinculado a futuros de ativos digitais. Atualmente, a criptomoeda está perto de sua média móvel de 100 dias: os US$ 53.940, que serviram de base durante a retração no final de setembro.

“Ironicamente, os mercados de criptografia de ontem à tarde pareciam bastante otimistas com a esperança de uma alta por conta do final de ano”, disse Jonathan Cheesman, chefe de vendas institucionais e de balcão na bolsa de cripto-derivados FTX, em nota na sexta-feira. “Será um fim de semana tenso, com certeza”.

Desafios

Nesta semana, os analistas citaram uma série de obstáculos para o mercado dos criptoativos, incluindo os requisitos de declaração de impostos dos EUA para moedas digitais e a intensificação da repressão regulatória da China. Agora, a perspectiva de uma nova cepa de vírus pode minar a liquidez e o apetite de risco do setor especulativo.

Como sempre, os grandes representantes do mercado continuam comprometidos com a visão de que mais instituições e investidores de varejo adotarão moedas virtuais.

“Esta é uma correção do mercado dentro de uma tendência de alta”, disse Vijay Ayyar, chefe da Ásia-Pacífico em Luno, que apontou que os dias de vencimento das opções — como sexta-feira — muitas vezes podem ser voláteis. Ele disse que uma queda para a faixa de US$ 48.000 a US$ 50.000 pode ser mais preocupante, e que “retrações de 20% são normais em uma tendência de alta do Bitcoin, como vimos muitas vezes antes.”

Por enquanto, o recuo do Bitcoin é um espetáculo à parte para o declínio do mercado global na nova variante identificada como B.1.1.529, enquanto os legisladores se apressam para reformular as políticas de viagens internacionais.

O maior token ainda está acima de 85% este ano.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).