Atualizado às 18h11

Notícias do plano do governo para financiar seu programa de auxílio social confirmaram nesta terça-feira os temores de iminente rompimento do teto de gastos, avivando um pessimismo que derreteu as ações brasileiras. Pressionado pelas perdas de todos os papéis da carteira teórica, o Ibovespa desabou 3,28%, a 110.672,76 pontos.

O gatilho para a derrocada do índice veio com informações de que o governo federal planeja ampliar o pacote de auxílio social e ao mesmo tempo abrir mão do plano de cobrar imposto de renda sobre dividendos. Ou seja: gastar mais e arrecadar menos.

“Isso piora drasticamente a expectativa quanto ao fiscal brasileiro e beira o que nenhum investidor quer ver mais no Brasil: irresponsabilidade fiscal”, afirmou em nota o analista da Clear Corretora Rafael Ribeiro.

Foi a senha para uma piora generalizada das previsões para o Orçamento federal, o que deflagrou também uma escalada dos juros futuros e do dólar contra o real. Isso, mesmo num dia de ambiente externo positivo, com alta das bolsas de Nova York.

O Ibovespa ainda saiu das mínimas (chegou a baixar dos 110 mil pontos), após informações de que o governo adiou o anúncio do programa Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família.

O que aconteceu com o dólar? O dólar subiu 1,35%, a R$ 5,5956 na venda, máxima para fechamento desde o dia 15 de abril deste ano, evidenciando a forte reação negativa do mercado à intenção do governo de colocar parte do pagamento do benefício que vai substituir o Bolsa Família fora do teto de gastos.

No pico da sessão, a cotação chegou a R$ 5,6131, alta de 1,67%. Entre as principais moedas globais, o real teve, de longe, o pior desempenho contra o dólar nesta terça-feira.

O governo cancelou o anúncio do programa social que tem elevado a incerteza entre os agentes do mercado, o Auxílio Brasil, marcado para esta tarde. Mais cedo, uma fonte com conhecimento direto do assunto disse à Reuters que o valor pago pelo governo em transferência direta de renda à população de baixa renda em 2022 será de R$ 400, com parte dos pagamentos ficando fora do teto fiscal.

Ricardo Gomes da Silva, superintendente da Correparti Corretora, disse em nota que “a percepção do aumento do risco fiscal, potencializado pelo lançamento do benefício social, deteriora a confiança dos investidores, que voltaram a vender o Brasil, reforçando posições compradas em ativos de segurança, como a moeda norte-americana”.

Carlos Duarte, planejador financeiro pela Planejar, foi na mesma linha: “Isso é mais endividamento para o Estado, e o mercado está com medo de haver uma piora na situação fiscal”, disse à Reuters.

Duarte ressaltou que a sinalização recente do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), de que o momento atual demandaria priorizar as necessidades da população mais vulnerável em detrimento do teto de gastos e da responsabilidade fiscal, já não havia agradado os investidores.

Com os persistentes riscos domésticos somando-se a um ambiente global cada vez mais arisco para ativos considerados arriscados, à medida que os mercados antecipam suas apostas para aperto monetário nas principais economias, nem mesmo a intervenção do Banco Central conseguiu segurar o dólar nesta terça-feira.

Pela manhã, a autarquia vendeu US$ 500 milhões no mercado à vista em leilão, na primeira operação do tipo desde março.

Vários especialistas têm ressaltado que o Banco Central não tem o poder, nem a intenção, de conter o patamar da moeda norte-americana, e apenas tenta fornecer liquidez aos mercados e conter distorções no comportamento cambial.

“O que está acontecendo é o investidor estrangeiro fugindo do país”, disse Duarte, da Planejar, ressaltando que o BC não tem como controlar essa tendência.

Em sessão com todas as ações do Ibovespa no vermelho, Azul, Gol, Petrobras e MRV estão entre as maiores perdas (18h13)

Azul perdeu 10,36% e Gol encolheu 7,4%, com a escalada conjunta do dólar e dos preços do petróleo piorando o cenário de custos para companhias aéreas já combalidas pelos efeitos da pandemia.

MRV teve queda de 7% após anunciar alta nos lançamentos e vendas no terceiro trimestre. Em nota a clientes, o BTG Pactual frisou os resultados fracos e o consumo de caixa, mas manteve recomendação de compra para as ações.

Petrobras caiu 4,37% (ON) e 4,89% (PN). A companhia afirmou ter tido “demanda atípica” de pedidos de fornecimento de combustíveis para novembro, muito acima dos meses anteriores e de sua capacidade de produção.

Banco do Brasil perdeu 4,9%, com os grandes bancos também acusando a perspectiva de piora fiscal, mesmo com a informação de que o governo pode desistir do Imposto de Renda sobre dividendos. Bradesco cedeu 3,1%, enquanto Itaú sofreu queda de 2,4%.

B3 perdeu 3,1% após anunciar a compra de 100% da empresa de big data e inteligência artificial Neoway, por R$ 1,8 bilhão em dinheiro.

EDP Brasil cai 1,6% após anunciar a venda de 3 empreendimentos de transmissão de energia para a Actis por R$ 1,32 bilhão, além do plano de vender hidrelétricas até o fim do ano.

E IRB Brasil cai 1,72%, após anunciar Willy Jordan Neto como novo vice-presidente financeiro e de relações com investidores.

Auxílio de R$ 400 em 2022 terá parte extra-teto, diz agência (12h19)

O valor pago pelo governo em transferência direta de renda em 2022 será de R$ 400, afirmou uma fonte com conhecimento direto do assunto, sendo parte composta pelo orçamento do Bolsa Família e parte por um auxílio temporário que, por não ser estruturado como despesa continuada, não precisará de definição de fonte de receita.

Segundo a mesma fonte, o Bolsa Família será rebatizado de Auxílio Brasil, como planejava o governo, e manterá seu orçamento de R$ 34,7 bilhões previsto para o ano que vem. A ideia é que o programa alcance 17 milhões de famílias, ante 14 milhões atualmente.

Mas, para robustecer o valor pago aos beneficiários, um auxílio temporário será criado, ao custo de cerca de R$ 50 bilhões. Parte do auxílio será pago dentro do teto de gastos e parte fora. Por ter duração delimitada, esse gasto não precisa, pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), de compensação.

Com esse desenho, o governo não precisará mais da tributação dos dividendos, proposta na reforma do Imposto de Renda, para viabilizar um benefício social maior no ano que vem.

Bolsa vai oferecer novo índice formado por “melhores empresas para se trabalhar” a partir de janeiro de 2022 (11h13)

Os investidores brasileiros vão poder contar com um novo índice acionário a partir de janeiro de 2022. A B3 e a GPTW (Great Place to Work) anunciaram a criação do índice GPTW, baseado “melhores empresas para trabalhar”.

“O índice vai avaliar boas práticas ESG das empresas, nos colocando na vanguarda mundial”, afirma Luis Kondic, diretor executivo da B3. Hoje, cerca de 50 empresas são certificadas pelo GPTW e, quando aplicados os critérios de seleção do índice, o número cai para 33.

Em uma análise, a B3 afirma que o índice GPTW teve um retorno maior do que o Ibovespa com menos riscos. “Isso permite que a gente mostre aos investidores que apostar no ESG tem gerado resultados positivos”, afirma Kondic.

B3 anuncia compra de Neoway por R$ 1,8 bilhão (8h57)

A operadora de infraestrutura de mercado B3 anunciou nesta terça que fechou a compra de 100% da empresa de big data e inteligência artificial Neoway por R$ 1,8 bilhão.

Segundo a B3, que havia anunciado as negociações para compra da Neoway na quinta-feira passada, a operação será paga com recursos do caixa.

Petrobras diz que pedidos de combustíveis para novembro estão acima da capacidade de produção (8h48)

A Petrobras afirmou em comunicado que recebeu uma “demanda atípica” de pedidos de fornecimento de combustíveis para novembro, muito acima dos meses anteriores e de sua capacidade de produção, e que apenas com muita antecedência conseguiria atendê-los.

A petroleira disse ainda que está operando seu parque de refino com fator de utilização de 90% no acumulado de outubro, contra 79% no primeiro semestre do ano, conforme o documento, publicado na noite de segunda-feira.

“Na comparação com novembro de 2019, a demanda dos distribuidores por diesel aumentou 20% e a por gasolina 10%, representando mais de 100% do mercado brasileiro”, disse a petroleira no comunicado.

A Petrobras frisou, no entanto, que segue atendendo os contratos com as distribuidoras, de acordo com os termos, prazos vigentes e sua capacidade. Além disso, a companhia está maximizando sua produção e entregas, operando com elevada utilização de suas refinarias, afirmou.

A empresa também apontou que, nos últimos anos, o mercado brasileiro de diesel foi abastecido tanto por sua produção, quanto por importações realizadas por distribuidoras, terceiros e pela companhia, que garantiram o atendimento integral da demanda doméstica.

Lira sinaliza discussão sobre programa social fora do teto de gastos (8h40)

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), sinalizou em entrevista ao site da revista Veja na noite de segunda a discussão de um programa social fora do teto de gastos públicos.

Lira defendeu que, diante dos impactos sociais provocados no Brasil pela pandemia de covid-19, não se pode priorizar a responsabilidade fiscal e o respeito ao teto de gastos em detrimento das necessidades da população mais vulnerável.

“Todo aspecto social nos preocupa muito. Não podemos pensar só em teto de gastos, responsabilidade fiscal, e a Câmara tem feito isso, o Congresso tem feito isso, em detrimento de uma população que está abaixo da linha da pobreza”, disse Lira na entrevista.

A declaração aponta mudança no discurso do presidente da Câmara, que até então em seus comentários públicos sempre defendeu a responsabilidade fiscal e o respeito ao teto de gastos.

Evergrande faz pagamento de cupom de bônus “onshore” (8h22)

O China Evergrande Group pagou um cupom de bônus “onshore” com vencimento nesta terça, disseram quatro pessoas com conhecimento do assunto, em meio a preocupações sobre um possível default “offshore” da incorporadora no fim desta semana.

O Hengda Real Estate Group Co, unidade carro-chefe da Evergrande, remeteu fundos para pagar um cupom de bônus “onshore” de 121,8 milhões de iuanes (19 milhões de dólares), disseram as fontes.

Uma das fontes disse que a Evergrande, a segunda maior incorporadora da China, precisa priorizar o mercado doméstico no uso de seu limitado caixa, já que internamente o peso no sistema financeiro é muito maior.

A crise de liquidez da Evergrande, que tem 300 bilhões de dólares em dívidas e deixou de honrar uma série de pagamentos de títulos, chacoalhou os mercados globais. Títulos de alto rendimento emitidos por incorporadoras imobiliárias chinesas foram especialmente golpeados.

Um título da Evergrande com vencimento em 23 de março de 2022 ficará oficialmente inadimplente se a empresa não pagar após um período de carência de 30 dias decorrente do não pagamento de um cupom vencido em 23 de setembro.

A Sunac China, que tem um pagamento de 27,14 milhões de dólares nesta terça-feira, pagou seus detentores de títulos, disse uma fonte com conhecimento direto do assunto.

A fonte não foi autorizada a falar com a mídia e não quis ser identificada. Um representante da Sunac não quis comentar.

O Kaisa Group disse na segunda-feira que pagou um cupom com vencimento em 16 de outubro e planeja transferir fundos para um cupom no valor de 35,85 milhões de dólares com vencimento em 22 de outubro na quinta-feira.

Na segunda-feira, a incorporadora Sinic Holdings, ficou inadimplente num pagamento de 246 milhões de dólares em títulos, conforme esperado. A empresa havia alertado sobre o calote na semana passada, dizendo que não tinha recursos financeiros suficientes.

Bolsas da Ásia fecham em alta, com destaque para ações de tecnologia (8h)

As bolsas asiáticas fecharam em alta nesta terça, à medida que ações de tecnologia seguiram o comportamento de ontem do Nasdaq e avançaram, com investidores à espera de mais balanços corporativos dos EUA.

O índice japonês Nikkei subiu 0,65% em Tóquio hoje, a 29.215,52 pontos, enquanto o Hang Seng avançou 1,49% em Hong Kong, a 25.787,21 pontos, o sul-coreano Kospi se valorizou 0,74% em Seul, a 3.029,04 pontos, e o Taiex registrou ganho de 1,17% em Taiwan, a 16.900,67 pontos.

Na China continental, os mercados também ficaram no azul, impulsionados pelo setor agrícola e fabricantes de alimentos e bebidas. O Xangai Composto subiu 0,70%, a 3.593,15 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto mostrou avanço de 0,86%, a 2.422,64 pontos.

Embora as bolsas de Nova York tenham ficado mistas no pregão de ontem, o Nasdaq teve um avanço significativo, já na expectativa para balanços trimestrais de grandes empresas de tecnologia e internet que compõem o índice, como Intel e Netflix.

Na semana passada, a temporada de balanços dos EUA teve um início bastante promissor, com vários resultados superando expectativas de lucro.

No setor de tecnologia asiático, a ação do Softbank saltou mais de 3% no mercado japonês hoje, enquanto as do Alibaba e da Meituan tiveram ganhos de cerca de 1,2% e 1,8%, respectivamente, em Hong Kong, e a da Samsung Electronics avançou 0,6% na Coreia do Sul.

Na Oceania, a bolsa australiana contrariou o tom positivo da Ásia, encerrando a sessão em baixa marginal. O S&P/ASX 200 caiu 0,08% em Sydney, a 7.374,90 pontos. Com informações da Dow Jones Newswires.

(Com Reuters e Agência Estado)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).