Atualizado às 18h53

Depois de um pregão de muita volatilidade, alternando entre ganhos e perdas, o Ibovespa fechou em leve alta, de 0,27%, aos 113.583 pontos. Teve peso decisivo a declaração do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, em entrevista coletiva convocada na tarde desta segunda-feira, de que a atual política de preços da companhia será mantida.

O diretor executivo de comercialização e logística da petroleira, Claudio Mastella, reconheceu que os preços dos combustíveis estão defasados diante de mudanças significativas no mercado internacional e no câmbio, mas disse que a companhia tem evitado repassar a volatilidade ao mercado interno. “Estamos avaliando internamente a hipótese de fazer ajustes de preços, mas não tomamos decisões com base em condições de preço instantâneas”.

Esse posicionamento trouxe tranquilidade ao mercado, que foi pego de surpresa com a própria convocação da coletiva pela Petrobras. Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro disse que teria pedido ao ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, que fizesse algo para “melhorar ou diminuir o preço” dos combustíveis, o que deu margem a temores de que haveria algum tipo de intervenção, na tentativa de conter a pressão inflacionária.

O desempenho positivo de ações mais líquidas, como commodities e bancos, foi o bastante para conter a influência negativa do exterior, com os principais índices de Wall Street no vermelho, assim como a queda das moedas de emergentes, inclusive o real, frente ao dólar. Mas, segundo profissionais do mercado, o apetite do mercado por ativos de maior risco continua baixo, ainda que o Ibovespa siga perto dos menores níveis do ano.

No caso do Brasil, o temor de crises hídrica e energética, além de inflação persistentemente alta e incertezas fiscais agravam fatores que já vêm pesando nos mercados globais, como as dúvidas sobre crescimento na China e risco de aperto na política monetária norte-americana.

Essa combinação torna os níveis atuais do Ibovespa, que acumula perda de cerca de 5% em 2021, pouco atrativos, afirmou o estrategista-chefe do Itaú BBA, Marcelo Sá.

No curto prazo as atenções estão sobre indicadores da China, às voltas com riscos de crise imobiliária e de energia, ao mesmo em que se esperam a votação do orçamento do governo dos EUA e novos discursos de autoridades econômicas nesta semana, que podem dar pistas sobre o início de um ciclo de aperto monetário.

No pregão desta segunda-feira, as duas maiores valorizações do Ibovespa foram do setor de frigoríficos: Marfrig (+7,15%) e BRF (+7%). O pano de fundo foi a aprovação pelo Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), sem restrições, da compra de ações da BRF pela Marfrig, na sexta-feira. Em terceiro lugar veio PetroRio (+5,91%). A Petrobras também fechou o dia no azul: as ações ordinárias ganharam +2,10% e as preferenciais, +0,89%.

Na outra ponta, os piores desempenhos do pregão foram de ações de empresas relacionadas a consumo e varejo: Méliuz (-5,18%), Via SA (-4,71%) e Magazine Luiza (-3,97%). Por trás disso, está a expectativa de um ciclo mais longo de alta do juro para conter a inflação no país.

Dólar fecha em alta de 0,65%, a R$ 5,3789 (17h07)

O dólar começou a semana em alta, engatando o quarto pregão de ganhos e batendo outra máxima em cerca de um mês, agora já mais perto de R$ 5,40, em meio a compras de segurança diante de renovados temores fiscais.

O real amargou o segundo pior desempenho global nesta sessão, à frente apenas do peso filipino. A moeda brasileira também sentiu o fortalecimento do dólar no mundo, em mais um dia de rali dos rendimentos dos títulos soberanos dos EUA, movimento que aumenta a competitividade da moeda norte-americana como opção de investimento.

O dólar à vista fechou em alta de 0,65%, a R$ 5,37895 na venda, maior valor desde 23 de agosto (R$ 5,3823). A divisa oscilou entre R$ 5,3073 (-0,69%) e R$ 5,3892 (+0,84%).

Petróleo Brent fecha em alta pelo 5º pregão consecutivo (16h14)

O petróleo fechou em alta pelo quinto pregão consecutivo, impulsionado pela avaliação de que o efeito das restrições de oferta da commodity no Golfo do México, causadas pela passagem do furacão Ida, podem demorar alguns meses para desaparecer.

“Nos próximos dias, o Brent pode tentar se aproximar do teto psicológico de US$ 80, patamar que levará alguns dias para ser superado, enquanto o WTI tentará atingir as máximas de mais de dois anos registradas em julho, de US$ 76,39”, prevê José Giraz, analista de mercado financeiro e diretor da Skilling para América Latina.

Ouro fecha quase estável, com alta de 0,02% (15h57)

O ouro fechou com leve ganho nesta segunda, depois do forte recuo na quinta-feira passada diante de sinalizações do Fed (Federal Reserve) sobre a redução do ritmo de compras do seu programa de relaxamento quantitativo (QE, na sigla em inglês). O ouro com entrega prevista para dezembro fechou em alta de 0,02%, a US$ 1.752 por onça-troy.

Petrobras vai falar sobre preços dos combustíveis (15h49)

A diretoria executiva da Petrobras vai fazer uma coletiva de imprensa às 16h30 desta segunda para falar sobre os preços dos combustíveis e do gás de cozinha. O anúncio fez as ações da companhia caírem, mas às 15h51 já operavam em alta de 0,15%.

Fed considera que pandemia continua sendo um risco para a economia (15h06)

A diretora do Fed (Federal Reserve), Lael Brainard, afirmou que o coronavírus continua representando riscos negativos para as perspectivas econômicas.

“A economia continua a ter progresso, mas a variante Delta tem impactado mais do que o esperado”, avaliou em discurso para evento da Associação Nacional para Economia Empresarial. Segundo Brainard, não deveria ser uma surpresa que a retomada não está sendo linear, devido ao tamanho da crise causada pelo coronavírus.

Anatel publica edital do leilão do 5G (14h57)

A versão definitiva do edital do leilão do 5G já está disponível para consulta no site da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). O conselho diretor da Anatel aprovou, em reunião extraordinária realizada na sexta-feira, o edital.

Esta será a maior oferta de espectro da história no País, com a licitação das radiofrequências nas faixas de 700 MHz, 2,3 GHz, 3,5 GHz e 26 GHz.

A entrega das ofertas das interessadas está marcada para 27 de outubro, e a sessão de abertura, análise e julgamento de propostas de preço será no dia 4 de novembro.

BRF e Marfrig lideram alta do Ibovespa após decisão do Cade (13h57)

As ações da BRF e da Marfrig lideravam as altas no Ibovespa nesta segunda. Isto está acontecendo porque, na sexta-feira, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) aprovou, sem restrições, que Marfrig compre ações da BRF. Às 13h57, BRF subia 6,6% e Marfrig 6,22%.

Presidente do BoE vê cenário crescente para alta dos juros (13h48)

O presidente do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), Andrew Bailey, disse que ele e outros membros do Comitê de Política Monetária veem caso crescente para aumentar as taxas de juros, ecoando comunicado publicado pelo banco central após a decisão de política monetária da semana passada.

“Todos nós acreditamos que será necessário algum endurecimento modesto da política monetária para ser consistente com o cumprimento da meta de inflação de forma sustentável no médio prazo”, disse Bailey em discurso a ser proferido à Society of Professional Economists.

Bolsas europeias fecham em alta (13h33)

As bolsas europeias fecharam em alta nesta segunda, impulsionadas pelo resultado da eleição na Alemanha e pelo bom desempenho de petroleiras.

Investidores ficaram aliviados com o fato de o partido de extrema esquerda Linke ter ficado abaixo do limite de 5% necessário para entrar no Parlamento. O índice alemão DAX (+0,3%) liderou os ganhos entre os índices regionais. Veja o fechamento das bolsas:

  • Índice Financial Times, em Londres: +0,17%, a 7.063,40 pontos;
  • Índice DAX, em Frankfurt: +0,27%, a 15.573,88 pontos;
  • Índice CAC-40, em Paris: +0,19%, a 6.650,91 pontos;
  • Índice Ftse/Mib, em Milão: +0,63%, a 26.132,24 pontos;
  • Índice Ibex-35, em Madri: +1,46%, a 9.002,90 pontos;
  • Índice PSI20, em Lisboa: +0,48%, a 5.450,08 pontos.

Bolsa de criptomoedas fechará contas de usuários depois de China declarar transações ilegais (12h58)

Uma das maiores bolsas de criptomoedas do mundo disse que vai fechar todas as contas de usuários na China continental até o final do ano, dias após o banco central do país declarar ilegais todas as transações relacionadas à criptografia.

A Huobi Global, que foi fundada em 2013 e atualmente opera com escritórios em Cingapura, Coreia do Sul, EUA e outros países, afirmou no fim de semana que parou de permitir que novos clientes da China continental registrem contas. A plataforma também retirará gradualmente as contas existentes na China até o fim de 2021 para garantir a segurança dos ativos de seus clientes, acrescentou.

Ibovespa tem leve alta, apoiado em ações de commodities (12h)

O principal índice brasileiro de ações tinha leve alta apoiado em ações de commodities, com investidores à espera pela evolução de eventos políticos e econômicos de Brasil e Estados Unidos, enquanto observam o desenrolar de possíveis crises na China.

Às 13h21, o Ibovespa mostrava valorização de 0,11%, aos 113.409 pontos.

“A expectativa é de Bovespa podendo buscar alta”, afirmou o economista-chefe do banco digital Modalmais, Alvaro Bandeira, em nota a clientes.

Segundo profissionais do mercado, os negócios são balizados nesta segunda-feira por expectativas em relação à votação do Congresso dos EUA envolvendo o teto de gastos do governo. Além disso, são aguardados discursos de integrantes do Federal Reserve, que podem dar novas pistas sobre a velocidade de um aperto monetário no país.

Por aqui, além da ata da última reunião do Copom, que na semana passada subiu a Selic em 1 ponto percentual, a 6,25% ao ano, os relatórios de gestores de recursos a clientes alertam para votação legislativa dos precatórios, o que abriria espaço para o programa federal Auxílio Brasil, com consequências sobre o respeito ao teto de gastos.

Simultaneamente os agentes seguem atentos a temas em ebulição na China, com possíveis crises imobiliária e de energia podendo contaminar as economias local e global.

Ações dos grandes bancos em alta (11h59)

As ações do Santander estavam na lista das maiores altas desta segunda, com valorização de 3,41% às 11h59. O Itaú registrou alta de 1,06% e o Bradesco, de 0,85%.

Já o Banco Inter ficou parte da manhã entre as principais baixas, com queda de 4,11%.

Ministro Paulo Guedes defende aprovação de PEC dos precatórios (11h31)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o reforço ao Bolsa Família, rebatizado de Auxílio Brasil pelo governo Jair Bolsonaro, exige a cooperação entre os poderes. “Nós precisamos do Congresso e precisamos posteriormente de uma interpretação do Supremo (Tribunal Federal)”, afirmou ele, ao participar de evento no Palácio do Planalto.

Guedes reforçou que a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) dos precatórios e reforma do Imposto de Renda são medidas complementares para garantir os recursos necessários para bancar o programa.

Ibovespa abre semana em queda (10h08)

O Ibovespa abriu a segunda com uma leve queda. Às 10h09, o principal índice brasileiro caía 0,03% a 113.252,74 pontos. As preocupações sobre a Evergrande estão influenciando os negócios na bolsa brasileira.

Ao longo da manhã, o indicador reverteu o viés de baixa e, às 11h2o, subia 0,27%, 113.589 pontos.

As maiores altas vinham de BRF (5,09%) e Petrorio (4,91%), enquanto as empresas com maiores quedas nas ações eram Locaweb (-3,75%) e Banco Inter (-2,75%).

Crise da Evergrande preocupa Ibovespa futuro (9h50)

Temores dos efeitos de uma crise imobiliária na China sobre as economias local e global mantinham investidores angustiados no início desta semana, com os negócios do pré-mercado indicando abertura em queda do Ibovespa, principal índice brasileiro de ações.

Às 9h34, o contrato futuro de Ibovespa com vencimento em 13 de outubro mostrava desvalorização de 0,5%, aos 113.190 pontos.

“As preocupações com o setor imobiliário da China seguem pesando sobre os negócios”, afirmou a equipe de pesquisa econômica do Bradesco, em nota a clientes.

Mercado asiáticos fecham em queda; Europa sobe (9h26)

As bolsas de Tóquio e de Xangai fecharam em queda nesta segunda, enquanto as de Londres e Frankfurt operam em alta. Dois assuntos que estão mexendo com os mercado internacionais são a possível falência da Evergrande, gigante incorporadora chinesa, e a eleição na Alemanha, que vai definir o novo substituto de Angela Merkel, chanceler do país.

“A semana inicia com as principais bolsas na Europa em alta de até 0,3%, na esteira da alta nos preços das commodities e da vitória dos Social Democratas na Alemanha”, afirma Daniel Lima, economista do banco ABC Brasil.

Para Pietra Guerra, especialista em ações da Clear Corretora, o mercado parece estar mais estável nesta segunda. “Hoje, as bolsas lá fora amanhecem levemente no positivo. Depois da semana passada que houve bastante volatilidade com os investidores acompanhando o caso da Evergrande, hoje, as bolsas parecem estar com algum fôlego/estabilidade. Os futuros dos EUA subindo em torno de 0,1%, aguardando alguns pronunciamentos importantes que ocorrerão essa semana e se haverá alguma atualização no caso da incorporadora na China”, afirma.

Boletim Focus prevê inflação (ainda) mais alta em 2021 (8h50)

Toda segunda-feira o BC (Banco Central) divulga o boletim Focus, que traz as perspectivas do mercado financeiro para a economia. A projeção de inflação passou de 8,35% para 8,45%, 25ª alta consecutiva. Para 2022, passou de 4,10% para 4,12%, enquanto o centro da meta é de 3,5%.

Enquanto a inflação não para de subir, a perspectiva para o PIB (Produto Interno Bruto) vem piorando a cada semana. A expectativa para este ano foi mantida em 5,04%, mas já caiu 0,06 ponto percentual para 1,57% para 2022.

Já as projeções para a Selic continuaram as mesmas: 8,25% ao final de 2021 e 8,5% para 2022.

(Com Reuters e Agência Estado)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).