Atualizado às 17h35

O dólar começou a semana em alta de 0,38%, cotado a R$ 5,537 nesta segunda-feira (11), o maior valor para um encerramento desde 20 de abril, quando a moeda fechou a R$ 5,5486. O clima mais arisco no exterior respaldou compras defensivas antes do feriado que fechará os mercados financeiros no Brasil nesta terça-feira.

Já  Ibovespa fechou em queda de 0,58% aos 112.181 pontos após quatro sessões sem recuo. A influência negativa das bolsas de Nova York e os temores de crise no mercado imobiliário chinês prevaleceram no Ibovespa, que fechou no vermelho, ofuscando os ganhos das ações de empresas de commodities.

As maiores altas foram Pão de Açúcar (+5,28%), Embraer (+4,89%), Cemig (+3,18%), PetroRio (+2,85%) e Bradespar (+2,64%). As maiores baixas foram as units do Banco Inter (-10,22%), preferenciais (-9,82%), Banco Pan (-8,07%), Petz (-6,03%) e BTG Pactual (-5,75%).

A China, que pela manhã enviou ventos positivos, com a escalada do minério de ferro impulsionando ações domésticas ligadas ao setor, voltou a assustar após a Evergrande se aproximar de um novo calote e as rivais Modern Land e Sinic também atrasarem pagamentos a investidores.

Enquanto isso, as bolsas dos Estados Unidos perderam fôlego com agentes preferindo se proteger de possíveis surpresas negativas da temporada de balanços do terceiro trimestre, que começa nesta semana com JPMorgan, Bank of America, Morgan Stanley e Citigroup e Goldman Sachs.

Essa influência setorial contaminou ações domésticas de bancos, empresas de pagamentos e da operadora de infraestrutura de mercado B3, movimento percebido pelo índice financeiro IFNC, que teve baixa de 2,6%.

No plano doméstico, a pesquisa semanal do Banco Central com economistas trouxe outra rodada de piora das projeções para inflação e juros, o que Rafael Ribeiro, analista da Clear, classificou como “mais um Boletim Focus desanimador”.

Bitcoin supera US$ 57 mil pela primeira vez desde maio (16h59)

O bitcoin superou US$ 57.000 pela primeira vez desde maio com apostas de que a maior criptomoeda testará novamente os recordes alcançados no início do ano.

A moeda digital chegou a subir 4%, para US$ 57.661 na segunda-feira em Nova York, mas reduziu os ganhos. O bitcoin atingiu quase US$ 65.000 em abril e quase dobrou de preço este ano. O índice Bloomberg Galaxy Crypto mostrava alta de 2,4% na segunda-feira.

Como em ralis anteriores, várias razões são citadas para a recente alta, desde menor preocupação com medidas regulatórias nos Estados Unidos e na China até o otimismo renovado sobre uma possível aprovação pela SEC de um fundo de índice de bitcoins. Investidores estão particularmente entusiasmados com a possibilidade de um ETF de futuros de bitcoins receber sinal verde da reguladora dos EUA, já que o presidente da SEC, Gary Gensler, sinalizou abertura para um fundo focado exclusivamente no produto baseado em derivativos.

“Muitos investidores e consultores tinham criptomoedas em sua lista de tarefas, e estão finalmente dando o passo com alocações que começam com bitcoins”, ou fundos cripto como o Bitwise 10, que investem pesado em bitcoins, disse Hunter Horsley, diretor-presidente da Bitwise Invest. Segundo a Bitwise, “centenas” de consultores fizeram as primeiras alocações em criptomoedas nas últimas semanas, com muitos migrando para a classe de ativos diante das perspectivas de inflação e baixos rendimentos, disse.

Alguns estrategistas também comemoram a resiliência do bitcoin, como mostrado pela recuperação da chamada taxa de hash, um indicador da energia computacional usada na mineração e processamento, depois da recente repressão da China no início do ano. Com as operações de mineração suspensas na China, o número de processadores de transações da América do Norte aumentou. Uma métrica que rastreia a taxa de hash subiu 103% desde o final de junho, segundo relatório da Luxor Technology.

Analistas que observam padrões nos gráficos de preços dizem que US$ 60.000 é o próximo nível de resistência, embora o índice de força relativa do bitcoin acima de 70 indique que a moeda agora está sobrecomprada.

Entre outras moedas digitais, a shiba inu – uma criptomoeda meme inspirada na dogecoin – subiu 20%, após mais que triplicar de preço na semana passada, de acordo com a CoinMarketCap.

Preços de petróleo saltam para máximas de vários anos com crise energética global (15h27)

Os preços do petróleo subiram cerca de 2% nesta segunda-feira, estendendo ganhos, enquanto uma crise de energia atinge as principais economias globais em meio a uma recuperação na atividade econômica e restrição no fornecimento de grandes produtores.

O Brent estava em alta de 1,45 dólar, ou 1,8%, para 83,84 dólares por barril às 10:36 (horário de Brasília), a maior alta desde outubro de 2018.

O petróleo dos EUA (WTI) subiu 1,71 dólar, ou 2,2%, para 81,06 dólares, para seu maior valor desde o final de 2014.

“Os preços do petróleo devem continuar subindo no curto prazo”, disse o analista do Commerzbank, Carsten Fritsch.

As cotações aumentaram à medida que mais populações vacinadas são retiradas dos lockdowns contra o coronavírus, apoiando uma retomada da atividade econômica, com Brent avançando por cinco semanas e o petróleo bruto dos EUA por sete.

O ritmo da recuperação econômica combinado com o clima frio aumentou a demanda por energia, enquanto a pressão sobre os governos para acelerar a transição para uma energia mais limpa desacelerou o investimento em projetos de petróleo para aumentar o abastecimento.

Os preços do carvão, gás e eletricidade também subiram para níveis recordes nas últimas semanas, impulsionados pela escassez generalizada de energia na Ásia, Europa e Estados Unidos.

“A notícia da semana passada de que o Departamento de Energia (dos EUA) não está planejando explorar reservas estratégicas por enquanto está mantendo o mercado de petróleo apertado e está apoiando os preços”, disse o analista do UBS Giovanni Staunovo.

A secretária de Energia dos EUA, Jennifer Granholm, disse na semana passada que o governo estava considerando explorar as reservas emergenciais de petróleo do país para resfriar os preços da gasolina, embora o Departamento de Energia tenha dito mais tarde que “não tinha planos de agir neste momento”.

Europa: bolsas fecham sem direção única, com ganho de ações ligadas a commodities (13h59)

As bolsas europeias fecharam sem direção única nesta segunda, em meio a um volume menor de negociações por conta do feriado de Columbus Day nos Estados Unidos. Ações de companhias ligadas a commodities industriais se destacaram hoje nas praças do Velho Continente, acompanhando as altas nos preços do petróleo e de metais básicos no mercado futuro.

O índice pan-europeu Stoxx 600 subiu 0,05%, aos 457,53 pontos. O FTSE 100, de Londres, foi o que registrou melhor desempenho dentre os principais índices acionários europeus, em alta de 0,72%, aos 7.146,85, na máxima diária.

O papel da mineradora Anglo American (+5,20%) liderou os ganhos, em alta seguida por outras companhias do setor, como Rio Tinto (+3,49%), Antofagasta (+4,18%), Glencore (+3,29%) e BHP (+3,21%).

O setor teve dia positivo diante do salto de 9,44% do minério de ferro em Qingdao, na China, na retomada das negociações do insumo. O desempenho do minério de ferro ainda impulsionou os preços de metais básicos no mercado futuro, tanto em Nova York quanto em Londres.

O petróleo também teve dia positivo, e o barril do WTI chegou ao seu maior valor em sete anos durante a manhã. O movimento deu tração a ações de petroleiras europeias, como a francesa Total Energies, cujo avanço de 2,01% ajudou o índice CAC 40 a fechar em alta de 0,16%, aos 6.570,54 pontos. Movimento similar ocorreu em Frankfurt, com a Siemens Energy subindo 2,41%. O índice alemão DAX, porém, teve leve baixa de 0,05%, aos 15.199,14 pontos.

Com o feriado nos EUA, investidores europeus focaram no noticiário econômico local, que contou com discursos de dois dirigentes do Banco Central Europeu (BCE). Entre eles, o economista-chefe da instituição, Philip Lane, adotou tom otimista ao considerar os possíveis impactos econômicos da variante delta do coronavírus sobre a zona do euro, e alertou quanto a eventuais choques causados pela alta nos preços do setor de energia.

Já o presidente do Banco da Espanha e dirigente do BCE, Pablo Hernández de Cos, disse que a exposição do sistema financeiro europeu às criptomoedas é “limitada”, mas alertou que ela pode se elevar no futuro.

Entre outros índices europeus, o FTSE MIB, de Milão, recuou 0,46%, aos 25.930,46 pontos, o madrilenho IBEX 35 teve perdas de 0,63%, aos 8.899,00 pontos, e o PSI 20, de Lisboa, fechou em alta de 0,40%, aos 5.537,03 pontos.

Ações da Embraer disparam depois de anúncio de encomenda da NetJets (11h33)

As ações da Embraer subiam quase 4% depois da empresa anunciar que recebeu uma encomenda no valor de US$ 1,2 bilhão. Às 11h26, os papéis da empresa subiam 3,92% e estavam entre as maiores altas do Ibovespa nesta manhã.

A empresa fechou um novo contrato com a NetJets, companhia aérea da Berkshire Hathaway de Warren Buffett, para a venda de até 100 aeronaves adicionais.

Investidor estrangeiro entrou com R$ 707,3 milhões na B3 no dia 7 de outubro (11h32)

Os investidores estrangeiros ingressaram com R$ 707,3 milhões na B3 na sessão da última quinta-feira (7). No dia, o Ibovespa encerrou a sessão estável (+0,02%), aos 110.585,43 pontos, com giro financeiro de R$ 32,7 bilhões.

O índice não conseguiu acompanhar o ritmo do apetite por risco visto no exterior, e perdeu fôlego ao longo da tarde até um final lateralizado. Ainda assim, foi a terceira sessão em que evitou perdas, nominalmente no positivo, algo não visto desde o intervalo entre 21 e 23 de setembro.

O mercado local recebeu moderadamente bem o parecer do deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) sobre a PEC dos Precatórios, que trouxe várias modalidades de pagamento aos credores, conforme havia sido negociado entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os presidentes do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL).

O montante é resultado de compras em R$ 88,429 bilhões e vendas em R$ 83,669 bilhões. Em outubro, o valor está positivo em R$ 4,76 bilhões. No acumulado do ano, o fluxo é de entrada de R$ 47,03 bilhões.

Wall Street abre em baixa com preocupações sobre inflação (11h01)

Os principais índices de Wall Street abriram em baixa nesta segunda-feira uma vez que a alta dos preços de commodities ampliava as preocupações com a inflação, ofuscando expectativas para a temporada de balanços no terceiro trimestre, que começará nesta semana com bancos.

O Dow Jones Industrial Average caía 0,06% na abertura, a 34.723,79 pontos. O S&P 500 abriu em baixa de 0,13%,a 4.385,44 pontos, enquanto o Nasdaq Composite perdia 0,27%, a 14.540,08 pontos.

Petroleiras e siderúrgicas têm bom desempenho no Ibovespa (10h54)

A alta nos preços do petróleo e do minério de ferro já está surtindo efeito em ações no Ibovespa nesta segunda-feira (11). Às 10h48, as maiores valorizações do índice eram das empresas Usiminas (+3,08%), Vale (+3,46%), PetroRio (+4,11%) e Gerdau (+2,13).

A siderúrgica CSN também subia, com valorização de 2,08%. Os ganhos expressivos destes papéis davam sustentação ao Ibovespa, com Vale, Usiminas, CSN e Gerdau reagindo ao salto nos preços do minério de ferro na China.

Os papéis de Petrobras e de Petrorio também tinham ganhos na esteira da alta da cotação do barril do petróleo no mercado internacional, enquanto Embraer crescia após anunciar que recebeu uma encomenda da NetJet para mais 110 aeronaves.

Taxas futuras de juros avançam em meio à cautela com fiscal e exterior (10h08)

Os juros futuros avançam na manhã desta segunda, em meio ao tom mais negativo no exterior, com forte alta do petróleo, e em meio a temores de maior deterioração das contas públicas.

Uma fonte cita a notícia de que o governo poderia acionar a cláusula de calamidade pública para renovar o auxílio emergencial, diante da dificuldade em viabilizar o Auxílio Brasil, sucessor do Bolsa Família, segundo o jornal Valor Econômico. Mais cedo, no entanto, as taxas renovavam mínimas conforme o dólar se enfraquecia ante o real. Os curtos estavam estáveis.

Às 9h25 desta segunda-feira, a taxa do contrato de depósito interfinanceiro (DI) para janeiro de 2027 subia para mínima de 10,48%, de 10,43% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2025 batia mínima de 10,04%, de 9,99%,e o para janeiro de 2023 estava na mínima de 9,02%, de 9,01% no ajuste de sexta-feira. O dólar à vista caía 0,21%, a R$ 5,5046, neste mesmo horário.

Mercado passa a ver Selic a 8,75% em 2022 em meio a projeções mais altas para inflação (9h23)

O mercado voltou a elevar a expectativa para a taxa básica de juros no final de 2022, em meio a projeções cada vez mais altas para a inflação.

A pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira mostrou que o mercado agora projeta a Selic a 8,75% ao final do próximo ano, de 8,50% antes. Para este ano permanece a estimativa de juros a 8,25%.

Ao mesmo tempo, a projeção para a alta do IPCA em 2021 subiu pela 27ª vez seguida e já alcança 8,59% –bem acima do teto da meta–, 0,08 ponto percentual a mais do que na semana anterior. Para o ano que vem a conta também aumentou, em 0,03 ponto, a 4,17%, superando o centro do objetivo.

O centro da meta oficial para a inflação em 2021 é de 3,75% e para 2022 é de 3,50%, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o PIB (Produto Interno Bruto), a estimativa de crescimento seguiu em 5,04% para 2021, mas para 2022 caiu a 1,54%, de 1,57%.

Bolsas da Ásia fecham na maioria em alta, mas Xangai fica praticamente estável (8h25)

Os mercados acionários da Ásia não tiveram sinal único, nesta segunda-feira (11) mas vários deles subiram. Em Xangai, porém, o quadro foi de estabilidade, enquanto na Coreia do Sul e em Taiwan feriados locais deixaram as bolsas locais sem operar.

Na Bolsa de Tóquio, o índice Nikkei fechou em alta de 1,60%, em 28.498,20 pontos. Investidores locais reagiram de modo positivo à declaração do novo primeiro-ministro do Japão, Fumio Kishida, de que ele não considera mudar o imposto sobre ganhos de capital local. A força do dólar frente ao iene também ajudou ações de exportadoras japonesas.

Na China, a Bolsa de Xangai fechou em baixa de 0,01%, em 3.591,71 pontos, e a de Shenzhen, de menor abrangência, recuou 0,43%, a 2.514,87 pontos. Os negócios locais continuam a oscilar dentro de uma faixa, com menos impulso em um período de feriados locais. Ações ligadas à energia estiveram sob pressão, com investidores preocupados com o custo elevado do carvão, apesar do esforço recente do governo de Pequim para garantir a oferta de carvão e apoiar aumento nas tarifas de eletricidade.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 1,96%, para 25.325,09 pontos. Ações de tecnologia se destacaram, animadas com a perspectiva de retomada de diálogo bilateral sobre comércio entre Estados Unidos e China.

Na Oceania, o S&P/ASX 200 recuou 0,28% em Sydney, fechando em 7.299,80 pontos. Os setores de tecnologia e saúde e papéis ligados a jogos estiveram sob pressão, mas a bolsa australiana reduziu perdas ao longo do dia, com papéis de commodities em geral exibindo ganhos. Com informações da Dow Jones Newswires.

(Com Agência Estado e Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).