Atualizado às 18h45

O Ibovespa fechou em alta de 3,66%, a 104.466,24 pontos, a maior alta do índice em uma sessão desde 25 de maio de 2020, na máxima do dia.

O índice vinha de duas quedas consecutivas, tendo renovado o menor patamar de fechamento do ano na véspera – o que também pode ter ajudado na performance desta sessão, que teve como catalisadores a aprovação da PEC dos Precatórios no Senado e o viés positivo das bolsas nos Estados Unidos.

Mais cedo, o IBGE divulgou que o Produto Interno Bruto do país recuou 0,1% no terceiro trimestre. Apesar de negativo, o número veio praticamente em linha com o esperado pelo mercado. O resultado indica recessão técnica da economia brasileira, já que é a segunda queda trimestral seguida.

A alta do índice teve o suporte de Vale, bancos e papéis de setores incluindo energia, saúde e construção. Outros ativos brasileiros também tiveram bom desempenho, com dólar em queda e taxa de juros futuros aliviando.

O Ibovespa marcou alta superior a 1% logo no início dos negócios, diante da expectativa de aprovação no Senado da PEC dos Precatórios. O movimento ganhou mais força com abertura em Nova York melhor do que os futuros de ações norte-americanos indicavam e, mais tarde, com o efetivo avanço da PEC no Congresso.

“O mercado quer comprar três coisas: o fato de que a aprovação da PEC dos Precatórios é o final da história do risco fiscal, que a inflação está chegando no pico, e ainda está louco para comprar essa versão da terceira via”, disse Roberto Attuch, presidente da OHMResearch. “Se vai se concretizar eu não sei, mas cria-se um clima para um ‘ralizinho’ de final de ano”, adiciona ele.

O Senado aprovou nesta quinta-feira, em dois turnos, a PEC dos Precatórios, que modifica as regras de quitação dessas dívidas do governo e altera o prazo de correção do teto de gastos, gerando espaço para o financiamento do novo programa social do governo, o Auxílio Brasil, em ano eleitoral.

Na teoria, o texto voltaria para a Câmara dos Deputados, por conta das alterações sofridas. No entanto, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), disse que vai conversar com o Senado para que o texto comum entre as duas casas – partes da PEC aprovadas por ambas, sem modificação – seja promulgado, enquanto o restante só deve ter uma palavra final dos deputados no ano que vem.

Além disso, o Senado também aprovou a medida provisória que cria o Auxílio Brasil e o texto segue à sanção presidencial.

No exterior, o S&P 500 e o Dow Jones subiram mais de 1%, após as bolsas norte-americanas terem desempenho negativo na véspera. Já na Europa, a história da sessão foi oposta. O índice pan-europeu STOXX 600 caiu 1,2%, com preocupações por conta da variante ômicron, depois de sua melhor sessão em quase seis meses.

Os índices acionários do mundo vêm marcando altas e baixas expressivas em sequências, diante da incerteza geral sobre os impactos da ômicron.

Já o dólar à vista caiu 0,21%, a R$ 5,6594. O alívio na cotação vem depois de quatro pregões seguidos de alta, nos quais acumulou ganho de 1,90%.

O real se beneficiou de um dia de recuperação das commodities e de um rali de ativos de risco no exterior, apesar de números mais fracos da economia brasileira divulgados na sessão em que a PEC dos Precatórios foi aprovada pelo Senado.

A moeda norte-americana foi às mínimas do dia à medida que aumentava a expectativa de aprovação do projeto na Casa, o que ocorreu por volta de 14h30. O texto modifica as regras de quitação dessas dívidas do governo e altera o prazo de correção do teto de gastos pelo IPCA, o que foi visto como uma vitória para o governo, apesar do imbróglio anterior. O texto terá de voltar à Câmara dos Deputados.

“Acho que no fim das contas a aprovação da PEC estava no radar do mercado”, disse Tulio Portella, diretor comercial da B&T Câmbio, que chamou atenção para a queda moderada do dólar nesta sessão depois de quatro dias seguidos de ganhos. “O cenário é ainda de dólar forte, temos na pauta a pandemia, ano que vem tem eleição… As estimativas estão mais próximas de R$ 6 que de R$ 5”.

Em dia de negociação de ex-dividendos, papéis da Petrobras chegam a saltar 8,29%; veja mais destaques do pregão (19h)

VALE ON liderou alta em pontos do Ibovespa e subiu 4,6%. CSN ON subiu 9,2%.

PETROBRAS PN teve pregão volátil, em dia que negocia ex-dividendo, e disparou 7%, enquanto o papel ON subiu ainda mais: 8,29%. PETRORIO ON avançou 3,2%. O petróleo subiu, em sessão volátil, após o grupo formado pela Opep e países aliados, conhecido como Opep+, concordar em prosseguir com o aumento planejado da produção de petróleo em janeiro.

ITAÚ UNIBANCO PN avançou 3,8%, enquanto o BRADESCO PN subiu 5,1%, sendo duas das principais contribuições positivas para o índice.

AMERICANAS ON caiu 3% e MAGAZINE LUIZA ON estendeu queda da véspera, quando afundou quase 12%, e cedeu mais 1,7% nesta quinta-feira. VIA ON recuou quase 1%.

BRASKEM PN subiu 9,5%, depois que a Novonor afirmou que avalia uma oferta secundária de ações para venda de fatia na petroquímica. A Braskem ainda anunciou distribuição de R$ 6 bilhões em dividendos antecipados.

JHSF ON subiu 8,4%, EZTEC ON avançou 6,4%, MRV ON teve alta de 4,6% e CYRELA ON fechou em +5,5%, em sessão positiva para o setor imobiliário. Analistas mencionaram o fato do setor estar descontado e alívio com a descompressão dos juros. O índice do setor imobiliário é o que acmula maior queda entre seus pares setoriais em 2021, com tombo de mais de 34%. Notícia sobre mudança no cálculo da poupança também estava no radar do setor.

TAESA UNIT avançou 3,7% – a companhia aprovou R$ 523 milhões em remuneração aos acionistas – e CPFL ENERGIA ON subiu 3,4%.

SULAMERICA UNIT disparou 7%, com alta generalizada de empresas ligadas ao setor de saúde. QUALICORP ON avançou 5%, enquanto INTERMÉDICA ON subiu 6%.

Previsão de que Brasil não vai crescer é equívoco e conversa de maluco, diz Guedes (15h29)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira que previsões de que o Brasil não vai crescer em 2022 são um equívoco e “conversa de maluco”.

“Vamos crescer um pouco menos porque vamos estar combatendo inflação”, disse ele, em palestra em evento sobre os dez anos de concessões aeroportuárias no Brasil.

O ministro avaliou ainda que há “conversa fiada” de que o país perdeu controle sobre o fiscal, o que classificou como “narrativa política” e “fake news”.

Guedes disse ainda que, a despeito de os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) terem indicado o ingresso em recessão técnica após o resultado negativo do PIB do terceiro trimestre, a bolsa subiu, motivada pela aprovação da PEC dos Precatórios no Senado.

Para o desempenho da economia este ano, Guedes projetou em sua fala uma alta de 5%.

Ações europeias recuam por preocupações de investidores com Ômicron (14h55)

As ações europeias recuaram mais de 1% nesta quinta-feira, com países intensificando as restrições para conter a disseminação da variante Ômicron do coronavírus, o que levanta preocupações sobre seu impacto na recuperação econômica.

O índice pan-europeu STOXX 600 caiu 1,2%, devolvendo mais de metade dos ganhos do dia anterior, quando a recuperação em setores expostos à pandemia levou à melhor sessão do índice em quase seis meses.

A Alemanha concordou nesta quinta-feira com novas restrições contra a Covid-19 que foca aqueles que não estão vacinados, e os Estados Unidos apertaram as restrições de viagens. Ao mesmo tempo, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que a variante Ômicron mostrou que a pandemia pode permanecer “por algum tempo”.

As ações de viagem e lazer, que mais sofrem com os movimentos de restrições, caíram 2,6%, levando as perdas neste ano a 7%, em um desempenho muito inferior do que o de outros grandes setores, que caminham para ganhos de dois dígitos.

O índice acionário referencial da Europa tem registrado fortes flutuações nos últimos dias devido a incertezas quanto à nova variante e a efetividade das atuais vacinas no combate a ela.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,55%, a 7.129 pontos;
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,35%, a 15.263 pontos;
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 1,25%, a 6.795 pontos;
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,39%, a 26.005 pontos;
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 1,80%, a 8.300 pontos;
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,92%, a 5.423 pontos.

Senado aprova relatório da PEC dos Precatórios em 1º turno por 64 votos a 13 (14h06)

O Senado aprovou a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios em primeiro turno por 64 votos a 13. Ainda haverá a votação de um destaque apresentado pelo PT e um segundo turno de votação.

A mudança abre caminho para o governo do presidente da República, Jair Bolsonaro, implantar o programa Auxílio Brasil com um benefício de R$ 400 a partir de dezembro.

Após a conclusão da tramitação, a Câmara terá que votar mais uma vez para se posicionar sobre as mudanças. Ainda nesta quinta-feira, 2, o Senado deve dar aval à medida provisória que institui o programa.

A proposta é estratégica para o Executivo por abrir margem para novos gastos em ano eleitoral. O texto foi alvo de críticas por adiar o pagamento de precatórios, que são dívidas reconhecidas pela Justiça, a partir do próximo ano e por mudar a regra de cálculo do teto de gastos, a principal âncora fiscal do País. Após alterações, no entanto, o governo conseguiu os votos favoráveis no Senado, até mesmo na oposição.

A PEC abre um espaço de R$ 106,1 bilhões para novas despesas no Orçamento de 2022. Senadores temem uma “farra eleitoral” no ano que vem, quando o presidente Jair Bolsonaro tentará a reeleição. Por isso, o Senado alterou a redação para “carimbar” a destinação dos recursos ao Auxílio Brasil e despesas com saúde, previdência e assistência social.

De acordo com especialistas, a vinculação não garante esse limite, pois as despesas podem ser manejadas no Orçamento, mas os senadores críticos à PEC acreditam que haverá um compromisso maior com programas essenciais.

A tramitação no Senado ocorreu em meio a resistências com a articulação do Palácio do Planalto e da equipe econômica. Foram seis versões do parecer apresentado pelo líder do governo na Casa, Fernando Bezerra (MDB-PE), desde a discussão do texto na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

De última hora, o relator incluiu um dispositivo que, de acordo com técnicos do Congresso, dispensava o Executivo de cumprir todo o teto de gastos em 2022. Bezerra classificou a interpretação como “maluquice”, mas retirou o dispositivo após o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) revelar o impasse e integrantes da equipe econômica reagirem.

Em pregão majoritariamente positivo, setores como saúde e construção se destacam (13h08)

ITAÚ UNIBANCO avança 2,21%, enquanto o BRADESCO sobe 2,73%, sendo duas das principais contribuições positivas para o índice.

PETROBRAS PN vive sessão volátil e sobe 2%, enquanto PETRORIO cresce 0,98%. O grupo formado pela Opep e países aliados, conhecido como Opep+, concordou em prosseguir com o aumento planejado da produção de petróleo em janeiro de 400 mil barris por dia. A Petrobras negocia ex-dividendo nesta quinta-feira.

LOCALIZA dispara 5,14% e UNIDAS avança 4,06%. Analistas do BTG Pactual escreveram que a potencial combinação de negócios entre as duas companhias, atualmente aguardando análise do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), não está precificada ainda na avaliação de mercado da Localiza.

EZTEC avança 5,48%, em sessão de bom desempenho de empresas de construção. MRV sobe 4,42% e CYRELA tem alta de 4,94%. Notícias sobre mudança no cálculo da poupança estão no radar do setor.

ELETROBRAS PN sobe 4,93%, TAESA avança 4,54% e CPFL ENERGIA tem alta de 3,56%.

BRASKEM sobe 2,31%, depois que a Novonor afirmou que avalia uma oferta secundária de ações para venda de fatia na petroquímica. A Braskem ainda anunciou distribuição de R$ 6 bilhões em dividendos antecipados.

SULAMERICA sobe 5,26%, com alta generalizada de empresas ligadas ao setor de saúde. QUALICORP avança 5,49%, enquanto INTERMÉDICA dispara 5,71%.

SUZANO cai 1,88% e é a principal contribuição negativa para o índice, após uma série de altas consecutivas. Companhia elevou preços na Ásia recentemente e vinha sendo favorecida por alta do dólar.

Relator apresenta novo parecer da PEC dos Precatórios no Senado (11h11)

O relator da PEC dos Precatórios no Senado, Fernando Bezerra (MDB-PE), apresentou um novo parecer após uma negociação para votar a proposta ainda nesta quinta-feira, 2, no plenário do Senado. O acordo ainda depende de uma nova redação para blindar a medida de ser fatiada com alterações rejeitadas pela Câmara.

O novo relatório limita o pagamento de precatórios da União até 2026, e não mais até 2036, como anteriormente.

De acordo com o relator, a mudança ocorre “dando tempo suficiente para o Poder Executivo melhor acompanhar o processo de apuração e formação dos precatórios e seus riscos fiscais, mas sem criar um passivo de ainda mais difícil execução orçamentária”.

Além disso, o parecer vincula o espaço fiscal aberto com o limite no pagamento dos precatórios em 2022 – uma folga de R$ 43,8 bilhões – às despesas com o novo programa social e gastos relacionados à seguridade social.

Esse dispositivo, no entanto, ficou separado do artigo do subteto dos precatórios. Por isso, há brecha para fatiamento ou rejeição da alteração na Câmara, garantindo uma folga sem vinculação.

PIB: economia brasileira recua 0,1% no terceiro trimestre deste ano e país entra em recessão técnica (9h05)

Depois de ter encolhido no segundo trimestre, a economia brasileira voltou a cair. O PIB (Produto Interno Bruto), que é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, recuou 0,1% no terceiro trimestre deste ano, segundo dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (2).

Com o resultado, o país entra em recessão técnica, fenômeno que acontece quando o PIB fica negativo em dois trimestres seguidos. O resultado do terceiro trimestre foi influenciado, principalmente, pela queda de 8% na agropecuária, que caiu pelo encerramento da safra de soja.

A coordenadora de Contas Nacionais do IBGE, Rebeca Palis, explica que a colheita da soja, por ser muito mais concentrada nos dois primeiros trimestres, impacta no resultado.

“Como ela é a principal commodity brasileira, a produção agrícola tende a ser menor a partir do segundo semestre. Além disso, a agropecuária vem de uma base de comparação alta, já que foi a atividade que mais cresceu no período de pandemia e, para este ano, as perspectivas não foram tão positivas, em ano de bienalidade negativa para o café e com a ocorrência de fatores climáticos adversos na época do plantio de alguns grãos”, afirma Palis.

Veja o resultado do PIB por categoria:

  • Indústria: 0%;
  • Serviço: 1,1%;
  • Consumo das famílias: 0,9%;
  • Consumo do governo: 0,8%;
  • Agronegócio: -8%;
  • Formação Bruta de Capital Fixo (investimentos): -0,1%.

Já os serviços, que correspondem a 70% do PIB, tiveram resultado positivo, puxado por outras atividades, que reúnem diversos serviços prestados às famílias. “Com o avanço da vacinação contra covid-19 e o consequente aumento da mobilidade e reabertura da economia, as famílias passaram a consumir menos bens e mais serviços.”, afirma Palis.

A indústria, que representa 20% do PIB, ficou estável no trimestre. “O encarecimento dos insumos e outros problemas na cadeia produtiva, além da crise energética, vêm afetando o setor industrial”, diz Palis.

Churrascaria Fogo de Chão volta à Bolsa de olho em redução de dívidas (8h01)

A rede de churrascarias Fogo de Chão vai voltar a listar ações nos Estados Unidos, desta vez na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), em oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) prevista para as próximas semanas. O prospecto da operação – documento com informações para o investidor – menciona a intenção de levantar US$ 100 milhões, mas o valor, por ora, é apenas um cálculo de ordem burocrática. Isso porque ainda se discutem o tamanho real da oferta e a sinalização do mercado para o preço do papel.

A Fogo de Chão, ou “fogo-dee-shoun”, como ensina o prospecto sobre a pronúncia do nome, nasceu no Brasil, mas há tempos não é mais uma companhia brasileira. Fundada em 1979, em Porto Alegre, foi comprada pelos irmãos Jair e Arri Coser, que fizeram do restaurante um dos principais do segmento de carne e churrasco no País, conhecido pelo seu sistema de rodízio.

Ainda sob o controle dos brasileiros, a companhia iniciou a sua expansão internacional, tendo os Estados Unidos como foco, chamando a atenção de investidores. Resultado: depois de anos de negociações com diferentes interessados, ela foi comprada, em 2012, pelo fundo americano Thomas H Lee Partner por um total de US$ 400 milhões.

Em 2015, com a expansão em ritmo mais acelerado, fez IPO na Nasdaq e levantou US$ 88 milhões. Três anos depois fechou o capital, quando foi revendida para o fundo Rhône Capital, por US$ 560 milhões. Agora, quem vai abrir o capital é a Fogo Hospitality, atual dona da rede de churrascaria.

Os recursos do IPO devem ser usados para pagar dívidas da rede, que somavam US$ 296 milhões no começo de outubro, de acordo com o prospecto, um crescimento de 114% na comparação anual.

A rede de churrascaria está presente hoje em 46 cidades dos Estados Unidos e vê potencial para chegar a pelo menos 300 restaurantes no país nos próximos 20 anos. Além dos EUA, já fincou bandeira em outros 14 países. No Brasil, são sete restaurantes. Para 2022, o plano anunciado é de abrir de oito a dez restaurantes próprios e “uma ou duas” franquias internacionais.

O IPO é coordenado pelos bancos Morgan Stanley, Bank of America, Jefferies, Raymond James e Credit Suisse. O código de negociação da ação na NYSE será “FOGO”.

Bolsas da Ásia fecham sem direção única, após pregão negativo em NY (7h27)

As bolsas da Ásia fecharam sem direção única nesta quinta-feira, 2, seguindo um pregão negativo em Wall Street, depois que o primeiro caso da variante Ômicron do coronavírus foi identificado nos Estados Unidos. Investidores tentam avaliar a real gravidade da nova cepa, que tem apresentado sintomas leves.

O índice Nikkei, referência na Bolsa de Tóquio, encerrou a sessão em queda de 0,65%, a 27.753,37 pontos. A ação da Japan Airlines recuou 2,47%, em meio a incertezas sobre as restrições a viagens no Japão. O governo voltou atrás hoje e desistiu do pedido de suspensão de reservas em voos internacionais com destino ao país.

Na China, Xangai perdeu 0,09%, a 3.573,84 pontos, enquanto Shenzhen, menos abrangente, cedeu 0,62%, a 2.508,45 pontos. As aéreas Hainan Airlines (-5,08%), China Eastern Airlines (-0,21%), e China Southern Airlines (-0,16%) operaram no vermelho em Xangai.

Por outro lado, em Taiwan, o índice Taiex ganhou 0,79%, a 17.724,88 pontos. Já o Hang Seng, de Hong Kong, avançou 0,55%, a 23.788,93 pontos. A corretora KGI Securities explica que o mercado do território semiautônomo chinês teve desempenho pior que os pares este ano, o que abre espaço para uma recuperação mais pronunciada.

Na Coreia do Sul, o índice Kospi terminou com valorização 1,57%, a 2.945,27 pontos, na máxima do dia, em Seul. Ontem, o Banco da Coreia (BOK, na sigla em inglês) informou que o Produto Interno Bruto (PIB) sul-coreano cresceu 0,3% no terceiro trimestre de 2021 ante o segundo, com expansão de 4% na comparação anual do período.

Na Oceania, o S&P/ASX 200 recuou 0,15%, a 7.225,20 pontos, na Bolsa de Sydney. Por lá, as preocupações quanto à variante Ômicron continuam repercutindo nos negócios. (Com informações da Dow Jones Newswires).

(Com Reuters e Agência Estado)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).