Atualizado às 18h

O Ibovespa foi na contramão do otimismo dos mercados internacionais e recuou nesta quinta-feira (14), pressionado principalmente por ações de empresas ligadas ao mercado doméstico. O índice chegou a subir na abertura, mas logo perdeu força e gravitou boa parte da sessão em torno do zero antes de fechar em baixa de 0,24%, aos 113.185,48 pontos.

Os principais índices das bolsas dos Estados Unidos e da Europa fecharam com alta significativa, fortalecidos por balanços de grandes empresas que mostraram resultados trimestrais acima das expectativas de bancos e casas de análise. O S&P 500 avançou 1,64%, na maior alta diária desde 5 de março.

No Brasil, porém, o Ibovespa teve dificuldade de consolidar uma trajetória de alta. Para profissionais do mercado, os negócios na B3 refletiram mais nitidamente a preocupação com fatores locais. “Seguiram pesando fatores como as indefinições sobre precatórios, Bolsa Família, reformas estruturantes e muitos ruídos políticos”, afirmou Alvaro Bandeira, economista-chefe do modalmais.

Via perdeu 2,56%, Magazine Luiza caiu 2,3%, Carrefour declinou 1,7% e Americanas teve recuo de 1,5%, mostrando pessimismo continuado de investidores com as perspectivas de curto prazo para o consumo doméstico.

Cyrela perdeu 2,25%. A construtora anunciou ontem alta de dois dígitos nos lançamentos, mas forte queda nas vendas do terceiro trimestre ante mesmo período de 2020. No setor imobiliário, BR Malls retrocedeu 1,63% e MRV foi depreciada em 1,05%.

CSN cedeu 1,4%, ilustrando casos em que o dia começou bem e terminou mal, após a Associação Mundial do Aço afirmar que a demanda global pela liga vai subir 4,5% este ano, abaixo do previsto. No setor, Usiminas teve desvalorização de 0,1%, mas Gerdau ganhou 1,9%.

Petrobras subiu apenas 0,17%, esvaziando boa parte dos ganhos que teve logo após o presidente Jair Bolsonaro afirmar ser favorável à privatização da companhia.

Bradesco teve declínio de 0,93%, numa sessão desencontrada entre os grandes bancos. Itaú Unibanco recuou 0,49%, mas Santander avançou 0,56%.

Banco Inter foi o líder de ganhos, disparando 5,5%, estendendo a trilha de recuperação após uma derrocada nas últimas semanas. Banco Pan teve movimento similar, dando um salto de 4,4%.

E o dólar? Já o dólar fechou em alta de 0,14%, cotado a R$ 5,5158, depois de recuar mais cedo em reação a mais uma oferta de liquidez pelo Banco Central, com o mercado ainda avaliando a disposição da autoridade monetária de seguir ativo no mercado de câmbio.

A moeda brasileira pareceu sentir um posicionamento mais negativo de investidores em relação à América Latina. Analistas têm destacado os impasses relacionados ao aumento global da inflação, problema que na região é historicamente mais agudo.

A inflação no Brasil em 12 meses já está acima de 10%; na véspera, o banco central do Chile fez um expressivo aperto monetário para conter pressões sobre os preços; e na Argentina a inflação anual já está em 52,5%.

De forma geral, a alta da inflação exige uma depreciação nominal da taxa de câmbio para que a taxa real se mantenha mais alinhada aos níveis de risco percebidos pelo mercado no momento.

Aqui, investidores seguiram tentando extrair indicações a partir dos dois leilões extraordinários de swaps cambiais tradicionais realizados pelo Banco Central desde a quarta – operações que, somadas, irrigaram o mercado com US$ 2 bilhões.

A diretora de Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos​ do Banco Central, Fernanda Guardado, afirmou nesta quinta-feira que a autoridade monetária não mudou sua forma de atuar no mercado e que nunca mira níveis para a taxa de câmbio.

Ações europeias sobem e vão ao nível mais alto em mais de 2 semanas por otimismo com balanços (14h51)

As ações europeias subiram nesta quinta-feira, atingindo o nível mais alto em mais de duas semanas, com os investidores apostando que uma recuperação econômica constante diante da pandemia dará suporte aos balanços corporativos, apesar de sinais de inflação elevada.

As ações de mineração saltaram 3,3%, maior ganho diário em três meses, enquanto os papéis de tecnologia subiram de novo.

O índice FTSEurofirst 300 subiu 1,16%, a 1.804 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 ganhou 1,2%, a 466 pontos.

As fabricantes de chips europeias, incluindo ASML, AMS e BE Semiconductor, ficaram entre os papéis com os maiores ganhos no setor de tecnologia, depois que a gigante de chips de Taiwan TSMC registrou um salto de 13,8% no lucro do terceiro trimestre em meio à crescente demanda por semicondutores.

O otimismo em torno dos balanços levou o STOXX 600 a reduzir a diferença em relação a sua máxima recorde para 2%.

  • Em Londres, o índice Financial Times avançou 0,92%, a 7.207 pontos;
  • Em Frankfurt, o índice DAX subiu 1,40%, a 15.462 pontos;
  • Em Paris, o índice CAC-40 ganhou 1,33%, a 6.685 pontos;
  • Em Milão, o índice Ftse/Mib teve valorização de 1,23%, a 26.277 pontos;
  • Em Madri, o índice Ibex-35 registrou alta de 0,49%, a 8.925 pontos;
  • Em Lisboa, o índice PSI20 valorizou-se 0,49%, a 5.620 pontos.

Petróleo e aço estão entre os destaques positivos do Ibovespa (13h13)

Petrobras PN sobe 1,01% na esteira da alta da cotação do petróleo no mercado internacional. O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta manhã ser favorável à privatização da companhia. PetroRio cresce um pouco mais: 1,48%.

Gerdau ganha 2,35% e Metalúrgica Gerdau sobe 1,73%, após a Associação Mundial do Aço afirmar que a demanda global pela liga vai se recuperar 4,5% este ano.

Por outro lado, B3 tem oscilação negativa de 0,70%. A operadora de infraestrutura de mercado financeiro anunciou pela manhã que negocia a compra de 100% da empresa especializada em big data Neoway.

CVC recua 1,49%. A empresa de turismo anunciou pela manhã o início da retomada das operações, 12 dias após ter sido alvo de um ataque cibernético.

Cyrela perde 2,42%. A construtora anunciou na noite de ontem alta de dois dígitos nos lançamentos, mas forte queda nas vendas do terceiro trimestre ante mesmo período de 2020.

B3 negocia compra da empresa de big data Neoway (10h11)

A B3 informou nesta quinta-feira que negocia a compra de 100% da empresa de big data e inteligência artificial Neoway.

Em fato relevante, a B3 informou que até o momento “os documentos definitivos da potencial operação não foram celebrados”.

Volume de serviços cresce 0,5% em agosto, segundo IBGE  (9h37)

O volume de serviços avançou 0,5% em agosto de 2021, frente a julho de acordo com dados divulgados pelo IBGE nesta quinta-feira (14). No entanto, a alta vem desacelerando. Em julho havia sido 1,1% e em junho, 1,8%.

Na série com ajuste sazonal, o ganho acumulado foi de 6,5% nos últimos cinco meses. Assim, o setor alcançou o maior patamar desde novembro de 2015 e está 4,6% acima do resultado registrado em fevereiro de 2020, período pré-pandemia.

Entre as atividades que impulsionaram o crescimento de 0,5% em agosto estiveram informação e comunicação (1,2%), transportes (1,1%) e serviços prestados às famílias (4,1%).

O único resultado negativo foi o de serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,4%), o que reverte parte do ganho de 4,1% alcançado pela categoria entre maio e julho deste ano.

Minério de ferro amplia perdas com pessimismo sobre demanda da China (9h12)

O preço do minério de ferro em Dalian, na China, caiu pela segunda sessão consecutiva nesta quinta-feira, em meio ao pessimismo sobre a perspectiva de demanda chinesa, com Pequim se tornando mais agressiva do que o esperado ao impor controles de produção de aço no primeiro trimestre de 2022.

O governo, buscando conter a produção de aço para garantir ar limpo, determinou que as usinas em mais cidades no norte da China reduzam produção de 15 de novembro a 15 de março.

Isso pesou em um mercado já nervoso com os temores em relação ao setor imobiliário da China após a crise do Evergrande Group e um agravamento da crise energética.

O minério de ferro mais negociado de janeiro na Bolsa de Commodities de Dalian fechou em queda de 2,9%, a 736 iuanes (114,37 dólares) a tonelada, após atingir 712 iuanes no início da sessão, seu nível mais fraco desde 30 de setembro.

Na Bolsa de Cingapura, o ingrediente siderúrgico subia 2,4% para 124,10 dólares a tonelada às 4h06 (horário de Brasília), depois de dois dias de queda.

A meta de redução da produção de aço da China no primeiro trimestre de 2022, quando os Jogos Olímpicos de Inverno estão programados para ocorrer em Pequim e na província vizinha de Hebei, foi “mais agressiva do que as expectativas do mercado”, disseram analistas do Citi.

O minério de ferro spot na China foi negociado a 126,50 dólares a tonelada na quarta-feira, 46% abaixo de seu pico recorde em meados de maio, com base nos dados da consultoria SteelHome. SH-CCN-IRNOR62

O carvão metalúrgico em Dalian caiu 0,2% e o coque ganhou 1,1%. O vergalhão de aço para construção na Bolsa de Futuros de Xangai caiu 0,2%, enquanto a bobina a quente subiu 0,3%. O aço inoxidável avançou 0,4%.

Ações da China fecham em queda nesta quinta (8h25)

As ações da China fecharam em queda nesta quinta-feira, uma vez que dados recordes de inflação ao produtor em meio à fraca demanda em setembro alimentaram preocupações sobre a trajetória do suporte da política monetária.

O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, recuou 0,54%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,1%.

O subíndice do setor financeiro recuou 0,97%, o de consumo teve queda de 0,85% e o setor imobiliário caiu 3,88%, enquanto o subíndice de saúde recuou 2,27%.

A inflação nos portões das fábricas da China em setembro atingiu um pico recorde com o aumento dos preços das commodities, mas a fraca demanda limitou a inflação ao consumidor, forçando as autoridades a caminharem na corda bamba entre apoiar a economia e alimentar ainda mais os preços ao produtor.

  • Em Tóquio, o índice Nikkei avançou 1,46%, a 28.550 pontos;
  • Em Hong Kong, o índice HANG SENG permaneceu fechado;
  • Em Xangai, o índice SSEC perdeu 0,10%, a 3.558 pontos;
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhein, retrocedeu 0,54%, a 4.913 pontos;
  • Em Seul, o índice KOSPI teve valorização de 1,50%, a 2.988 pontos;
  • Em Taiwan, o índice TAIEX registrou alta de 0,24%, a 16.387 pontos;
  • Em Cingapura, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,27%, a 3.164 pontos;
  • Em Sydney, o índice S&P/ASX 200 avançou 0,54%, a 7.311 pontos.

(Com Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).