Atualizado às 17h54

As ações do setor de frigoríficos subiram nesta quarta-feira (27), puxadas pelos resultados positivos da Marfrig no terceiro trimestre e pela possibilidade da China voltar a exportar carne brasileira.

Os papéis da BRF fecharam em alta de 1,76%, os da JBS tiveram alta de1,71%, enquanto os da Minerva, avançaram 1,45%. Os da Marfrig evoluíram 2,68%.

Uma matéria divulgada pelo Valor Econômico diz que aduana do porto de Xangai está prestes a liberar a entrada da primeira carga de carne bovina do Brasil na China desde 4 de setembro, data em que começou a valer o embargo chinês.

Além disso, a Marfrig reportou resultados bastante positivos, o que anima o investidor. Um relatório da Genial Investimentos afirma que haviam estimado bons resultados para a empresa, mas que a realidade ficou muito acima das expectativas.

“A empresa tem 71% de sua receita vindo da operação na América do Norte e 89% de sua receita dolarizada, contando vendas no mercado americano e exportações tanto dos EUA quanto do Brasil, fatores que só agregaram para o trimestre memorável do frigorífico”, afirma Adriano Castro, analista do setor de alimentos da Genial Investimentos, em relatório.

A XP afirma, em relatório, que o crescimento da empresa na América Latina foi impulsionado pelo Uruguai, em que as exportações estão sendo beneficiadas pela atual política de exportação da Argentina e das restrições às exportações do Brasil para a China.

“Olhando para o futuro, esperamos que as pressões de custo diminuam no 4T21 e ao longo de 2022, mas o efeito negativo das restrições da China deve se tornar mais aparente, enquanto a demanda doméstica segue incerta”, afirma a XP.

Balanço da Marfrig

A companhia reportou lucro líquido de R$ 1,67 bilhão no terceiro trimestre, uma expressiva alta de 148,7% ante o mesmo período do ano passado.

A Operação América do Norte — liderada pela americana National Beef — registrou novos recordes de resultados, beneficiada pela recomposição dos estoques da cadeia de food-service, o cenário econômico ainda impulsionado pelos estímulos financeiros do governo federal e pela sazonalidade do período.

“Os fundamentos da indústria permanecem a nosso favor, temos um amplo abastecimento de gado… No quarto trimestre teremos oferta parecida com a do terceiro. Não vamos ter a mesma margem Ebitda do terceiro trimestre, mas vai continuar muito forte”, afirma Tim Klein, CEO da unidade norte-americana.

(Com Reuters)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).