O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda de 2021 (ano-calendário 2020) começa nesta segunda-feira, dia 1º de março.  O download do programa para preenchimento da declaração já está disponível desde a semana passada.

Se você vai começar a declarar agora e não sabe por onde começar, a EY vai te dar o caminho das pedras. “A lista não é exaustiva. Portanto, sugere-se que os contribuintes já se antecipem de forma a coletar todos os dados necessários para o preenchimento da Declaração de Imposto de Renda”, aconselha a consultoria.

A EY mostra abaixo quais informações você precisará para fazer a declaração do Imposto de Renda:

Comprovante de rendimentos

O contribuinte precisará entrar em contato com as suas fontes pagadoras (ex: empregador) de maneira a obter os comprovantes de rendimentos referentes ao ano-calendário de 2020, seja no Brasil e/ou exterior.

Em caso de recebimento de rendimentos de pessoa física (ex: aluguel), o contribuinte deverá utilizar os recibos de pagamento como base para a declaração. Já no caso de recebimento de rendimentos de pessoa jurídica, esta deverá lhe encaminhar o Informe de Rendimentos com os valores recebidos durante o ano.

Obtenção de lucro

O contribuinte deverá também informar o lucro proveniente da venda de bens e direitos, estejam eles localizados ou não no Brasil. Para obtenção dessas informações, é necessário possuir os comprovantes das operações de venda realizadas em 2020 (ex: documento de escritura de venda do imóvel).

Pagamentos realizados

Com relação aos pagamentos realizados durante o ano de 2020, o contribuinte deverá ter em mãos  os comprovantes, recibos e/ou notas fiscais dos serviços realizados. O contribuinte deverá também entrar em contato com prestadores de serviços a fim de obter documentos que comprovem o gasto anual incorrido (ex: relatório anual de despesas médicas emitido pelo plano de saúde, relatório anual de despesas com educação emitido pela instituição de ensino etc.).

Bens e direitos

Com relação aos bens e direitos de sua propriedade, o contribuinte deverá coletar os Informe de Rendimentos emitidos pelas instituições financeiras, bem como demais comprovantes relacionados a aquisição de bens durante o ano de 2020 (ex: escritura de compra de imóveis, recibo de compra de automóvel etc.). Cabe ressaltar que, não somente os bens e direitos que o contribuinte possui no Brasil deverão ser reportados, mas também aqueles localizados no exterior.

Dívidas

Por fim, o mesmo é válido para as dívidas possuídas e/ou contraídas, onde o contribuinte deverá coletar quaisquer contratos de empréstimos, recibos anuais de pagamento/quitação de dívidas, bem como o Informe de Rendimentos Financeiros emitidas pelas instituições financeiras.

Confira como declarar seus investimentos no IR 2021:

 

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).