O congestionamento em Londres permanece alto, apesar do governo britânico ter pedido nesta semana aos funcionários de escritórios que voltem a trabalhar em casa, situação que sugere que a recuperação do Reino Unido no consumo de combustível pode continuar.

As ruas de Londres estavam 3% mais congestionadas na quarta-feira do que em média no ano passado, de acordo com dados da empresa de navegação por satélite TomTom International BV. Os congestionamentos foram semelhantes aos observados na terça e segunda-feira, e maiores do que na semana anterior.

O governo do Reino Unido pediu na terça-feira que funcionários de escritório voltassem a trabalhar em casa sempre que possível para conter a propagação do coronavírus e alguns grandes bancos disseram que interromperiam o retorno de funcionários aos seus escritórios. Não está claro, no entanto, se aqueles que voltaram aos escritórios retornaram ao trabalho em casa. O tráfego da hora do pico matinal em Londres continuou a ser maior na quinta-feira do que na semana anterior, outro sinal de que muitos ainda estão dirigindo para a cidade.

A recuperação no tráfego de passageiros de Londres – uma boa notícia para o mercado de petróleo, mas uma má notícia para o planeta – acelerou significativamente no início de setembro com o início do ano letivo e várias empresas oferecendo aos funcionários incentivos em dinheiro para usar seus carros ou pegar táxis para o trabalho, ao invés de transporte público.

Nos primeiros três dias desta semana, Londres sofreu congestionamentos cerca de 3% acima da média de 2019, a maior média semanal desde o início de março, quando o Reino Unido estava perto de entrar em lockdown, segundo dados da TomTom.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu WhatsApp? É só entrar no grupo pelo link: https://6minutos.uol.com.br/whatsapp.