O setor supermercadista perdeu 1,79% do faturamento de 2020, o equivalente a R$ 7,6 bilhões, com problemas como quebra operacional, furtos externos, internos e outros erros, segundo levantamento divulgado pela Abras (Associação Brasileira de Supermercados).

O levantamento dividiu as perdas entre produtos perecíveis e não perecíveis. Nos dois, o principal fator de perda foi a validade vencida: 37,4% (perecíveis) e 42,5% (não perecíveis).

As seções que lideram os índices de perdas (por faturamento bruto) entre os perecíveis foram FLV (5,25%), rotisseria e comidas prontas (4,32%) e padaria e confeitaria (2,74%).

Entre os não perecíveis estão: bazar (1,77%), têxtil (1,04%) e Higiene e Perfumaria (0,82%).

Dentre as principais causas de perdas estão:

  • quebra operacional: 47,9%
  • furto externo: 16,0%
  • erros de inventário: 10,2%
  • erros administrativos: 9,5%
  • furto interno: 7,4%

Os itens que mais sofreram perdas em valor e quantidade no ano de 2020 foram refrigerantes, cervejas, cortes bovinos (exceto picanha), pilhas e baterias, chocolates em barra ou tabletes, e queijos.

Qual foi a base da pesquisa? A 21ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro de Supermercados foi realizada com base nas informações de 228 redes supermercadistas, que somam 3.576 lojas no país. O faturamento bruto dessas empresas somou R$ 49,9 bilhões em 2020.

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).