CHICAGO (Reuters) – As ofertas de milho dos Estados Unidos deverão atingir o menor nível em oito anos devido à crescente demanda para a produção de etanol e exportação, disse o governo norte-americano nesta quinta-feira.

O estoque de soja, por sua vez, ficará acima do esperado, pois os altos preços da oleaginosa fizeram com que a demanda para produção de óleo e farelo de soja diminuísse, reduzindo o volume de esmagamento, segundo relatório mensal de oferta e demanda do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês).

Os contratos futuros do milho negociados em Chicago dispararam para o mais alto patamar em quase um mês após a publicação do relatório, enquanto a soja caiu 1,2%.

O relatório deste mês marcou uma mudança nas preocupações de oferta no mercado, que passaram da soja –utilizada como ração animal e na cada vez maior produção de diesel renovável– para o milho, que tem visto firme demanda da China e é a principal matéria-prima do etanol nos EUA.

“A soja está sob uma pressão significativa porque o USDA reduziu a projeção de esmagamento”, disse Ted Seifried, estrategista-chefe de mercados agrícolas do Zaner Group.

“Esse é o único número que ninguém achava que pudesse ser reduzido. Talvez não fiquemos sem soja ao final do ano comercial.”

O USDA calculou que os estoques finais de milho no ano comercial de 2020/21, que termina em 31 de agosto, cairão para 1,107 bilhão de bushels, uma mínima de oito anos, ante previsão de 1,257 bilhão de bushels no relatório de maio.

Para 2021/22, os estoques finais de milho foram estimados em 1,357 bilhão de bushels, em comparação com a previsão de maio de 1,507 bilhão de bushels.

As safras norte-americanas de soja e milho já estão praticamente plantadas, e serão colhidas a partir de setembro.

A demanda por milho tanto do setor de etanol quanto para exportações foi elevada em 75 milhões de bushels no atual ano comercial, com estimativas de que 5,05 bilhões de bushels sejam destinados para a fabricação do biocombustível e 2,85 bilhões de bushels para o mercado externo.

Analistas esperavam que o relatório mostrasse estoques finais de milho em 1,207 bilhão de bushels em 2020/21 e 1,423 bilhão de bushels em 2021/22.

Os estoques finais de soja em 2020/21 foram elevados em 15 milhões de bushels, para 135 milhões de bushels –ainda assim, a cifra representaria o menor nível em sete anos.

Para 2021/22, o USDA fixou os estoques de soja em 155 milhões de bushels, alta de 15 milhões de bushels em relação à estimativa de maio.

(Por Mark Weinraub)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).