(Reuters) – A Tyson Foods, maior processadora de carnes dos Estados Unidos, elevou nesta segunda-feira sua projeção de receitas para o ano fiscal de 2021, à medida que se beneficia de uma forte demanda por carne bovina após a retomada de operações de restaurantes e hotéis ao redor do país.

A demanda reprimida pela experiência de comer fora de casa após a flexibilização de restrições deu impulso às vendas dos frigoríficos norte-americanos, que também se beneficiaram de um “boom” recente na demanda chinesa por carne suína, depois de o país asiático ter reportado surtos de peste suína africana.

A produtora dos hotdogs Jimmy Dean disse esperar que suas vendas fiquem entre 46 bilhões e 47 bilhões de dólares no ano fiscal de 2021, ante expectativa anterior de 44 bilhões a 46 bilhões de dólares.

Analistas esperam, em média, vendas de 45,09 bilhões de dólares, conforme dados da Refinitiv IBES.

As vendas da Tyson no terceiro trimestre fiscal, encerrado em 3 de julho, avançaram para 12,48 bilhões de dólares, versus 10,02 bilhões de dólares em igual período do ano passado. Analistas esperavam, em média, que as cifras chegassem a 11,49 bilhões de dólares.

Já o lucro líquido atribuível à Tyson Foods avançou para 749 milhões de dólares, ou 2,05 dólares por ação, contra 526 milhões de dólares (1,44 dólar/ação) há um ano.

(Reportagem de Praveen Paramasivam, em Bengaluru, e Tom Polansek, em Chicago)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).