Na opinião do CEO da Lazard, Ken Jacobs, o trabalho remoto não prejudicou as negociações de acordos, mas pode ter grande impacto nas perspectivas de banqueiros mais jovens no setor.

“Em última análise, esta é uma experiência no escritório”, disse Jacobs em entrevista à Bloomberg Television nesta terça-feira.

Alguns dos maiores bancos, como Goldman Sachs e JPMorgan Chase, começam a trazer funcionários de volta aos escritórios em maior número. Jacobs disse que mais banqueiros da Lazard provavelmente voltarão no quarto trimestre.

Empresas de Wall Street buscam encontrar o equilíbrio entre um regime de trabalho flexível e o desafiador ambiente de negociações. Jovens banqueiros estão sobrecarregados, e muitos começam a se queixar. Alguns analistas do primeiro ano do Goldman se queixaram no início do ano, dizendo que estavam sobrecarregados e que se sentiam negligenciados pelos gerentes.

“Tem sido um ano extraordinariamente produtivo, não perdemos muito por estarmos fora do escritório”, disse Jacobs. “A longo prazo, isso tem grande impacto na capacidade de treinar, recrutar e reter os melhores.”

 

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).