SÃO PAULO (Reuters) – A Cosan avalia que o “timing” de mercado parece mais favorável à realização de uma oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) da Raízen antes de uma operação envolvendo a Compass Gás e Energia, disse nesta terça-feira o diretor financeiro do grupo, Marcelo Martins, a jornalistas.

O IPO da Compass, que estava encaminhado, foi suspenso no ano passado, devido às condições de mercado. Agora, após a Raízen ter anunciado a aquisição da rival Biosev, a companhia está mais forte para uma oferta de ações, sem falar que tem grande atratividade como empresa de energia renovável para investidores globais, segundo o executivo.

“A Raízen tem business internacional, tem uma atratividade muito grande para investidor ESG (sigla para governança ambiental, social e corporativa), é um grande player ‘green’, como a gente posiciona. E este ‘timing’ é ideal para realizar a captação de uma empresa do tamanho da Raízen”, disse ele.

Segundo Martins, a empresa produtora de açúcar, etanol e bioenergia, que atua também na distribuição de combustíveis, “está pronta para fazer uma captação para continuar financiando seu crescimento”.

“Tem a prontidão da empresa e o momento de mercado, e acho que essa é uma combinação bem feliz para a Raízen, prontidão a gente controla mais…”, afirmou.

Ele argumentou que a Cosan, que busca ter quatro de seus principais negócios listados, vai focar na Raízen primeiro uma vez que o grupo não quer ter duas operações sendo realizadas no mesmo momento.

“Ainda que não sejam negócios que têm competição (Raízen e Compass), mas com o fato de queremos gerir de perto esse processo, acreditamos que o ‘timing’ será primeiro para a Raízen e depois possivelmente para a Compass”, concluiu.

(Por Roberto Samora)

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).