As tarifas de energia do Brasil têm sido pressionadas por questões como o amplo uso de usinas térmicas caras, e a tendência é que tenham um salto neste ano se não forem tomadas medidas de alívio, disse nesta terça-feira o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone.

“Nossas áreas técnicas já fazem estimativas de que, se nada for feito, o reajuste 2021, média Brasil, está na casa dos 13%. Por isso temos que buscar alternativas”, afirmou ele, durante reunião semanal de diretoria da agência reguladora.

Ele citou o diferimento de alguns pagamentos a empresas de transmissão de energia como possível forma de aliviar reajustes neste ano.

A Aneel também tem avaliado como distribuidoras de energia devem fazer a devolução a consumidores de bilhões de reais pagos a mais em PIS e Cofins na conta de luz nos últimos anos, após a Justiça ter entendido que as cobranças eram irregulares.

A agência deve abrir ainda nesta terça-feira uma consulta pública sobre como tratar esses créditos tributários, que poderiam aliviar reajustes tarifários.

(Por Luciano Costa)

Quer tirar suas dúvidas sobre o Imposto de Renda de 2021? Mande sua pergunta por e-mail (faleconosco@6minutos.com.br), Telegram (t.me/seisminutos) ou WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).