O carnaval de rua e os desfiles das escolas de samba de São Paulo serão adiados para uma data ainda a ser definida em 2021 por causa da pandemia, segundo disse ontem o prefeito Bruno Covas (PSDB). Há proposta para que as festividades sejam no fim de maio ou em julho. O adiamento da folia e a suspensão de outros eventos – como a Fórmula 1, Parada do Orgulho LGBT e Réveillon na Avenida Paulista – colocam em risco a movimentação de R$ 3,41 bilhões no setor de comércio e serviços da cidade, conforme dados de 2019. Médicos têm apontado a dificuldade de realizar megaeventos sem que haja vacina e a população seja imunizada.

O carnaval movimenta cerca de R$ 2 bilhões, seguido do réveillon (R$ 649 milhões) e da Parada LGBT (R$ 403 milhões). Os pontos facultativos também devem ser alterados. A prova da Fórmula 1 no Autódromo de Interlagos, cujo cancelamento foi adiantado pelo Estadão e confirmado ontem pela Prefeitura, movimenta R$ 361 milhões. A Marcha para Jesus havia sido adiada de junho para novembro, mas segundo Covas os organizadores desistiram da ideia.

Outras cidades também reveem o calendário de grandes eventos. O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), já disse que se não houver vacina contra o coronavírus até novembro, a festa na capital baiana não será realizada. No Rio, o Réveillon em Copacabana foi cancelado e o carnaval está ameaçado.

O último carnaval foi às vésperas do registro da chegada do vírus à capital, na 2.ª quinzena de fevereiro. Como já se sabia do espalhamento da doença por Europa e Estados Unidos nas semanas anteriores, houve debates sobre a necessidade de cancelar o evento este ano, o que foi rechaçado por autoridades à época. Em 2020, segundo a Prefeitura, o público (flutuante) dos blocos de rua chegou a 15 milhões de foliões, sem contar os blocos pré e pós-carnaval.

Para tomar a decisão sobre o carnaval 2021, Covas já havia se reunido com dirigentes de escolas de samba e coordenadores dos principais blocos de rua. A avaliação é de que fica praticamente impossível adotar protocolos de segurança, como o distanciamento entre foliões. “Apesar de a cidade sempre estar evoluindo no Plano São Paulo (protocolo estadual de flexibilização da quarentena), ainda estamos enfrentando a pandemia”, disse Covas.

Representantes de escolas de samba da cidade disseram apoiar a medida, destacando a saúde dos integrantes das agremiações e a possibilidade de planejar melhor o evento do ano que vem. “Todo o tempo pensamos nos funcionários e artistas que trabalham diretamente nas escolas de samba”, disse a presidente da Sociedade Rosas de Ouro, Angelina Basílio. “A partir dessa nova data, podemos dar o ‘start’ no projeto de 2021. Na Rosas de Ouro, vamos falar sobre todos os rituais de cura no tema ‘Sanitatem’, que está sendo desenvolvido pelo carnavalesco Paulo Menezes.” A escola, segundo Angelina, vem trabalhando em um projeto de arrecadação de doações para famílias atingidas pela covid-19 na Freguesia do Ó e na Brasilândia, na zona norte, uma das mais atingidas pela pandemia na cidade.

Presidente da Imperador do Ipiranga, Rodrigo Souto disse que o adiamento foi “em comum acordo” entre a liga das escolas, agremiações e Prefeitura. “Com essa previsão, já é possível dar continuidade no desenvolvimento do projeto do desfile do ano que vem. Ainda estamos no prazo para iniciar a confecção dos pilotos, produção de alegorias e reprodução de fantasias.” Segundo ele, a escola está, no momento, empenhada em ajudar famílias da comunidade de Heliópolis, zona sul.

Cidade também ficará sem F-1 em 2020

“A Fórmula 1 é um evento de grande porte e relevante para o setor da hotelaria. Só os funcionários das equipes conseguem encher vários estabelecimentos, mas é importante entender que nosso grande problema é combater a pandemia. Tomar medidas contra a pandemia é positivo para mostrar ao turista que São Paulo está preocupada com a saúde”, diz Ricardo Roman, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis de São Paulo.

No Prêmio de Interlagos, 78% do público vem de fora de São Paulo. Em média, cada turista gasta cerca de R$ 3,3 mil na permanência na cidade. Segundo o Observatório do Turismo, da São Paulo Turismo (SPTuris), a cidade que é a residência de maior parte dos turistas é Buenos Aires, seguida por Brasília, Belo Horizonte e Curitiba. De 2005 para 2018, a presença de estrangeiros nas arquibancadas aumentou 80%. De todo esse contingente de pessoas que vêm de outros locais, 69% se hospeda em hotéis, o que garante à rede paulistana do setor lotação quase dos quartos máxima durante os três dias de evento.

A movimentação financeira durante os três dias do GP 2019, de R$ 361 milhões, teve valor superior ao registrado em 2018, que foi de R$ 334 milhões. O valor, aliás, representou grande salto em comparação a 2017, quando o registro foi de R$ 280 milhões. A alta quantia de dinheiro se explica principalmente pela presença de um público de 158 mil pessoas em Interlagos no último ano, ante 150 mil em 2018.

A organização do GP do Brasil deste ano pretendia realizar a prova dia 8 de novembro e com a presença de público. Em todos os anos a venda de ingressos tem início em março, porém o processo foi adiado nessa vez para aguardar a definição das datas do calendário da categoria. Agora, diante do cancelamento, os promotores voltam a se dedicar exclusivamente à negociação para tentar renovar contrato com a Fórmula 1. O acordo em vigor termina neste ano, sem a realização da prova.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens Serviços e Turismo (CNC) calcula que, em quatro meses, o segmento de turismo tenha perdido R$ 121,97 bilhões. No setor, a expectativa é de retomada mais lenta do que em outros e de dificuldades agravadas pelo fechamento de fronteiras, o que pode se estender por mais tempo a depender do avanço da pandemia no Brasil.

Rio só decidirá sobre o Carnaval em setembro

Os principais organizadores do carnaval do Rio resolveram adiar para setembro a decisão sobre a data da festa em 2021. Riotur, Liga das Escolas de Samba (Liesa) e associações de blocos ainda apostam no surgimento de uma vacina capaz de garantir as aglomerações sem risco já em fevereiro. A última reunião da Liesa sobre isso, no dia 14, terminou sem definir data.

“Só imaginamos o desfile em fevereiro com a vacina. Não pode acontecer sem aglomeração dos desfilantes ou de quem está assistindo”, disse então o presidente da Liga das Escolas, Jorge Castanheira.

A pedido da Liga, a Riotur suspendeu a divulgação dos preços dos ingressos do sambódromo para o público estrangeiro e também as negociações com as empresas responsáveis pelo carnaval de rua. A Associação de Blocos Sebastiana, que reúne onze dos mais importantes, também vai aguardar até setembro para tomar uma decisão.

Quer receber notícias do 6 Minutos direto no seu celular? Estamos no Telegram (t.me/seisminutos) e no WhatsApp (https://6minutos.uol.com.br/whatsapp).